Brasil tem três chances de medalha neste sábado (31)

Tênis feminino de duplas, judô por equipes e tiro com arco têm disputas por pódios com possibilidade de brasileiros

Luisa Stefani e Laura Pigossi
Legenda: Luisa Stefani e Laura Pigossi podem alcançar o melhor resultado do Brasil em Olimpíadas, com o bronze
Foto: Reuters

A dupla brasileira no tênis formada por Luisa Stefani e Laura Pigossi teve a confirmação da vaga olímpica no dia 16 de julho, a uma semana da cerimônia de abertura de Tóquio 2020. Elas tiveram a possibilidade de disputar os Jogos, por conta da desistência de outras duplas. Foram do inesperado à disputa por medalha e, nesta madrugada, às 3h, vão jogar pelo bronze, contra a dupla do Comitê Olímpico Russo, Elena Vesnina e Veronika Kudermetova. É a chance de colocar o nome na história. Caso alcancem à medalha, chegarão ao melhor resultado da modalidade nos Jogos, superando o quarto lugar de Fernando Meligeni, em Atlanta – 96. 

Outro esporte que terá disputa por medalhas neste sábado é o judô por equipes. Sem Maria Suelen, que se lesionou na disputa das quartas de final, Mayra Aguiar vai em busca de seu segundo pódio, em Tóquio 2020. O Brasil entra na campanha já nas quartas de final, o que encurta o caminho até a medalha. 

Onde também há chances de pódio é no tiro com arco, em que Marcus D´Almeida disputa as oitavas de final. As semifinais e finais serão também no sábado e, apesar de ser difícil o caminho, ele pode voltar com a medalha no pescoço. 

Difícil do mesmo modo vai ser o desafio da seleção feminina de vôlei, que encara a Sérvia, às 4h25. O duelo deve definir o primeiro colocado no grupo e o Brasil vai com um desfalque importante: Macris. A levantadora segue em tratamento fisioterápico por conta de uma entorse no tornozelo, confirmada por exames de imagem. A lesão aconteceu na última partida, na quinta-feira (29), contra o Japão. Não se sabe se a jogadora terá condições de voltar às quadras, ainda nas Olimpíadas, mas a Confederação Brasileira de Vôlei informou que ela será monitorada diariamente. 

Quem também terá uma disputa complicada nesta madrugada é a seleção feminina de handebol, da cearense Adriana “Doce”. A partida é contra a Suécia, primeira colocada no grupo. As brasileiras estão em terceiro no grupo, quatro passam para a próxima fase, as quartas de final. 

Seleção feminina de handebol tem desafio complicado contra a Suécia
Legenda: Seleção feminina de handebol tem desafio complicado contra a Suécia
Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP

Outra cearense que disputa vaga na fase eliminatória é a Rebecca Silva, do vôlei de praia. Ao lado de Ana Patrícia, joga contra a dupla Claes e Sponcil, do Estados Unidos. A expectativa é por recuperação, após a derrota na última rodada contra Graudina e Kravcenoka, da Letônia. As chances de classificação às oitavas de final são boas, mesmo que a vitória não venha, pois o regulamento prevê que das 24 duplas em disputa, 16 avancem. São seis grupos com quatro duplas, e as duas primeiras passam direto para a próxima fase. As duas melhores terceiras também passam. E as outras quadro terceiras jogam entre si para que mais duas cheguem à próxima fase. 

A seleção masculina de futebol, que busca o bicampeonato olímpico, disputa as quartas de final contra o Egito, às 7 horas da manhã. Os africanos ficaram com a segunda vaga em um grupo que tinha Argentina, eliminada ainda na fase de grupos. 

Seleção masculina de futebol busca bicampeonato olímpico
Legenda: Seleção masculina de futebol busca bicampeonato olímpico
Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP

O Brasil permanece com sete medalhas, sendo uma de ouro, três de prata e três de bronze. A China lidera com 40,  19 de ouro, 10 de prata e 11 de bronze. A expectativa por mais medalhas permanece e o Comitê Olímpico Brasileiro estima que o País ultrapasse o número de 19 pódios conquistados na Rio-2016.