Do The Voice ao “Show de Calouros”, programas musicais continuam conquistando os olhares do público

A fórmula desse tipo de atração, mesmo atualizada, segue ganhando audiência desde a "Era de ouro do Rádio"

The Voice
Legenda: Hoje o The Voice é visto como uma grande atração, não só no Brasil, mas em vários países do mundo.
Foto: Globo/Camilla Maia

Na última semana, o Ceará conquistou mais um pódio, agora em um dos mais importantes programas musicais do país, o “The Voice", realizado pela TV Globo. Na 10ª edição da atração, o cearense Giuliano Eriston, natural do município de Bela Cruz, conquistou o primeiro lugar na competição.

Essa não é a primeira vez que um cantor da nossa terra alcança a vitória no programa. Em 2013, Sam Alves, nome artístico de Samuel Martins Alves, teve essa grande alegria e mostrou toda sua desenvoltura e talento nas telinhas. Além disso, podemos citar o grande cantor Marcos Lessa, que mesmo não sendo o campeão, foi um dos finalistas e alavancou a carreira devido a atração.

Independente do estado do ganhador ou da sua trajetória “pós-programa”, uma coisa é importante e deve ser dita: a fórmula “show de calouros” segue sendo um sucesso e conquista o grande público desde a “Era de ouro do Rádio”, quando a televisão ainda nem pensava em existir.

Um eterno “show de calouros”

Hoje o The Voice é visto como uma grande atração em vários países do mundo. Mesmo tendo suas especificidades, um formato inteligente e com um visual bem chamativo, alguns elementos como os jurados (e seus humores característicos), a forma em que os concorrentes entram no palco e a reação do público, fazem do programa um “show de calouros moderno”.

A televisão chegou ao Brasil há exatos setenta anos pelas mãos de Assis Chateaubriand, pelo amadorismo no qual foi implantada copiou parte da programação do Rádio, que era o principal veículo de massa da época. Dentre os produtos que foram adaptados, mencionamos as novelas, os programas de auditório e os famosos concursos musicais.

Flavio Cavalcanti
Legenda: Flavio Cavalcanti em seu programa na TV Tupi
Foto: Divulgação

Ary Barroso, era o que mais dominava esse último estilo, seu programa lançou vários artistas e ele compartilhava o gênero com outros apresentadores como Paulo Gracindo e Renato Murce. Nomes que participaram dessas competições estão Elza Soares, Ângela Maria e Doris Monteiro.

Na transição do Rádio para a Televisão, apresentadores da escola do Rádio ganharam os holofotes. Flávio Cavalcanti, com seu temperamento difícil, foi um desses destaques. Outro que ganhou proporção enorme na TV foi o “Velho Guerreiro", o eterno Chacrinha. Silvio Santos e o Raul Gil, são remanescentes desse período e até pouco tempo, ainda de uma forma mais quadrada, ganharam pompa com a fórmula.

E os jurados?

Além dos calouros e apresentadores, os jurados sempre foram um capítulo à parte e merecem receber uma atenção especial. Muitos deles migraram de programas, de jeitos e gestos e se fizeram presentes na memória afetiva de muitos brasileiros no transcorrer de décadas.

Figuras como Pedro de Lara, Elke Maravilha, Aracy de Almeida (que como jurada criou uma identidade completamente diferente de quando cantora), Dener, Erlon Chaves, José Fernandes, Jacinto Filgueiras Júnior (o Homem do Sapato Branco) e tantos outros até chegar nos famosos Carlinhos Brown, Lulu Santos, Claudia Leitte, Michel Teló e Iza.

Os tempos mudam mas como já falaria o já mencionado “Chacrinha” para dizer que “nada se cria e tudo se copia” e assim a Televisão vai copiando o Rádio e, de alguma forma, a internet e o streams são a comunhão de tudo pré-existente. Assim caminha a humanidade e de alguma forma, se esses produtos são imitados é porque sempre foram muito bons.