Querem aumentar os impostos do agro

Entrou em clima de alerta geral o universo dos que, direta ou indiretamente, têm a ver com a cadeia produtiva da agropecuária brasileira, que hoje é a locomotiva que puxa a economia do País. Uma das propostas de reforma tributária sugere que as atividades do agro sejam apenadas com forte tributação. Se aprovada, será um tiro no peito do produtor rural - seja ele grande, médio ou pequeno, nordestino ou sulista. Há 48 horas, estão mobilizados contra essa proposta os integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária, a Confederação Nacional da Agricultura e o Ministério da Agricultura, que já se declararam a favor "de uma reforma que reduza a burocracia e não aumente a carga tributária da sociedade, em especial do produtor rural". O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Alceu Moreira, está dizendo e repetindo que ela não tem votos suficientes para aprovar a reforma tributária, mas os tem para impedir que se elevem os tributos incidentes sobre a atividade. A CNA, por sua vez, vem reforçando sua atuação no sentido de evitar que o setor perca competitividade em relação a outros países, que incentivam sua agricultura. No Congresso, tramitam três propostas de reforma tributária, uma da Câmara dos Deputados, outra do Senado e uma do Poder Executivo.

SENAI E ADAGRI

Deram-se as mãos o Senai-Ceará e a Agência de Defesa da Agropecuária (Adagri), que fortalecerão as ações de inspeção higiênico-sanitária dos produtos de origem animal no Estado. Paulo André Holanda, diretor-geral do Senai, e Vilma Freire, presidente da Adagri, liderarão no dia 2, quarta-feira, uma webinar que tratará dessa parceria, saudada com aplausos pela comunidade da agropecuária cearense. Será pelo canal do Senai-Ceará no YouTube.

Hospital

Está pronto o projeto arquitetônico de um hospital de referência nacional que o médico e empresário cearense Hipólito Monte pretende construir no entorno de Eusébio, domicílio do primeiro polo industrial de saúde do Ceará em implantação na geografia daquele município da RMF. "Será uma espécie de Sírio Libanês do Nordeste", disse uma fonte bem informada desta coluna, a quem o projeto foi apresentado. Em tempo: o Sírio Libanês, de São Paulo, é um dos melhores hospitais brasileiros e da América Latina.

Festa na companhia Siderúrgica do Pecém: as exportações de suas placas de aço alcançaram 1,57 milhão de toneladas entre janeiro a julho deste ano. Uma queda de só 3,7% em relação a igual período de 2019. Causa, a pandemia. Mas, neste 2º semestre, as vendas para o exterior já registram bom crescimento.

Hoje, interessa a quem tirar do Governo o ministro Paulo Guedes? Pelo que se lê e ouve, interessa ao pessoal do quanto pior, melhor. E ficará pior se, em vez de respeitar o teto dos gastos, Bolsonaro preferir seguir o conselho dos que querem ampliar a gastança. Está unida a oposição em torno de piorar o que já é difícil.