Análise: Ceará fez uma das piores atuações no ano em derrota para Palmeiras

Apático, Alvinegro tem desempenho muito ruim, perde por 3 a 0 fora de casa e vê classificação para as quartas de final ficar mais distante. Time sofreu todos os gols em intervalo de cinco minutos e não conseguiu reagir

Fabinho em disputa de bola com o adversário
Legenda: Ceará teve atuação bem abaixo
Foto: Felipe Santos/cearasc.com

Num momento em que havia grande expectativa do torcedor, o Ceará decepcionou e fez uma das piores partidas no ano. Por si só, a derrota por 3 a 0 para o Palmeiras, ontem, no Allianz Parque, já é muito ruim. Mas ficou ainda pior pela forma como ocorreu. No duelo de ida das quartas de final da Copa do Brasil, a situação ficou muito complicada para o Alvinegro. Na partida de volta, próxima quarta-feira (18), terá que vencer por três gols de vantagem para levar para os pênaltis.

Ouça o podcast 'CearáCast'

Powered by RedCircle

Foi a segunda pior derrota do Ceará em 2020. Pela segunda vez no ano, perdendo por três gols de diferença, algo que só havia ocorrido contra o Vasco, pela Série A do Campeonato Brasileiro.

É verdade que os gols saíram num intervalo de somente cinco minutos. Como numa luta de boxe, o Ceará acusou o primeiro golpe e baixou a guarda, ficando exposto aos ataques do adversário. Aos 34, 37 e 39 minutos do primeiro tempo, três investidas do time da casa e três bolas no fundo das redes do goleiro Fernando Prass.

Mas resumir o resultado a “apagão” não traduz o que foi a partida. O Palmeiras foi muito superior ao Ceará durante o jogo inteiro e controlou o duelo do início ao fim. Atordoada, a equipe comandada por Guto Ferreira parecia perdida em campo.

O time todo foi abaixo, coletiva e individualmente. Absolutamente ninguém escapou. Até mesmo jogadores como Luiz Otávio e Charles, que costumam manter o alto nível da equipe, acabaram indo mal.

Nos primeiros 45 minutos, absolutamente nenhuma finalização. Nem no gol, nem mesmo pra fora. O Ceará não conseguiu chegar no campo de ataque do adversário e se resumiu a defender. Algo que fez com certa competência até ser vazado pela primeira vez, mas depois não foi capaz de estabilizar.

A tenebrosa atuação acabou com a paciência de Guto Ferreira logo no intervalo. Na volta para o segundo tempo, quatro mudanças. As saídas de Rafael Sóbis, Léo Chú, Felipe Baxola e Charles tinham intenção de garantir uma nova intensidade ao time, mas as entradas de Leandro Carvalho, Wescley, Lima e Felipe Vizeu não asseguraram isso.

Wescley, aliás, desperdiçou a melhor chance que o Ceará teve no jogo, ao receber ótimo passe de Fernando Sobral, livre e de frente pro goleiro, mas mandou para fora.

Uma possibilidade de recolocar o Alvinegro na disputa seria em cobrança de pênalti sobre Leandro Carvalho, que o árbitro marcou, mas o VAR sinalizou que não houve falta no lance e a penalidade foi anulada corretamente.

Apesar do baque da derrota pesada, o Ceará deve voltar as atenções para o Campeonato Brasileiro. No sábado (14), terá uma tarefa dificílima contra o Grêmio, em Porto Alegre, com a missão de seguir no embalo que vive no Brasileirão - são, pelo menos, seis jogos de invencibilidade.

Sóbis

Após o jogo, o atacante Rafael Sóbis acertou sua saída do Ceará. Ele vai defender o Cruzeiro na Série B do Campeonato Brasileiro.