Ceará tem menor emissão de gases poluentes desde 2002; Veja cidades que mais poluem

São Gonçalo do Amarante é o município com maior emissão, diz estudo

Poluição
Legenda: Emissão de gases poluentes vem caindo no Ceará
Foto: Shutterstock

Estudo do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), ao qual esta Coluna teve acesso em primeira mão, traz informações inéditas e detalhadas sobre a emissão de gases poluentes no Ceará.

Aponta o levantamento que o Ceará vem reduzindo gradativamente, nos últimos anos, a participação nas emissões brutas de poluentes em relação ao Brasil. Em 2020, o percentual do Estado ante as emissões nacionais caiu para 1,06%, o menor patamar desde 2004.

Ranking: os municípios que mais geram poluentes

Com isso, o Ceará está entre os 10 estados do Brasil que menos lançam esses gases no ambiente, ocupando a 19ª colocação no ranking brasileiro.

No ano passado, o Estado reduziu as emissões de CO2 em 13% e chegou ao nível mais baixo desde 2002.

Rafaela Martins, gerente de estatística, geografia e informações do Ipece, avalia que seria necessário um estudo mais aprofundado para identificar, de forma precisa, os principais fatores que levaram à redução. O crescente investimento em fontes de geração de energia renovável seria um dos pontos.

"O estudo é muito oportuno, diante de todas as discussões mundiais acerca dos efeitos da ação humana no clima", diz.

O setor da econômica cearense que mais gera gases poluentes é o de energia (responsável por 36%), puxado pelas emissões pelo segmento de transportes.

Em seguida, está a agropecuária (32%), influenciada principalmente pela atividade de pecuária bovina (gado de corte e gado de leite).

São Gonçalo do Amarante é a cidade do Ceará que espalha a maior quantidade de gases de efeito estufa, informa a pesquisa. O município, onde estão situadas as usinas térmicas que queimam combustíveis fósseis, tem uma participação de 20% em todas as emissões.

O segundo lugar fica com Fortaleza, com 17% das emissões, e em terceiro, Maracanaú, com 1,8%.



Assuntos Relacionados