Superioridade confirmada no bicampeonato tricolor

Confira análise do colunista Tom Barros

Legenda: Tinga marcou dois gols nas duas finais
Foto: Thiago Gadelha

O Fortaleza já entrou com jeito de campeão, tal era a sua vantagem. Mas o Ceará começou melhor. Lançou-se em busca da vitória. Teve as duas chances para tirar a diferença, mas Vina mandou na trave e Sobis acertou o travessão. Talvez aí os supersticiosos logo tenham pensado: não é um dia alvinegro. Veio a fase final. Era o dia de Tinga. Ou melhor: a noite de Tinga. Mais uma vez ele surgiu como centroavante. Na bobeira de Tiago, Tinga virou herói. Fez Fortaleza 1 a 0. Depois disso, o abatimento do Ceará. O Fortaleza assumiu o controle. Ficou nítido: o Ceará não tinha como reverter a situação. A expulsão de Leandro liquidou de vez. Derley, Marlon, Bruno Melo, Yuri e Osvaldo entraram para solidificar. O Fortaleza, superior no placar e na produção, ficou à espera da apoteose. Ao apito final, a Inusitada festa porque num cenário de estádio vazio. Faltou a trilha sonora da torcida, mas sobrou emoções. Nunca os corações tricolores estiveram tão longe e tão perto. Tão fora do estádio e tão dentro do estádio. Uma espécie de milagre que juntou os distantes e fez visíveis os invisíveis. Uma só família, separada pelos protocolos, mas unida pelo ideal, pela conquista. Um bicampeonato merecido e inesquecível. 

>Veja tudo sobre o bicampeonato do Fortaleza

Comandante 

Mais uma vez louvores ao técnico Rogério Ceni que tem escrito no Fortaleza uma continuada história de conquistas. Parece interminável, insaciável, a vontade de vencer, de coroar com títulos etapas distintas. No futebol, não lembro de um casamento tão perfeito quanto este de Ceni com o Fortaleza. Incrível fusão de imagens, de ideais e de acertos. 

Serenidade 

O presidente Marcelo Paz é uma espécie de Ceni do alto comando. Também adotou a mesma postura de crença, de confiança, de vitórias continuadas. Uma parceria perfeita que forma um só pensar. Sintonia fina, tão ajustada, que garante a harmonia interna e externa. Se alguma divergência houve, logo foi neutralizada pelas cedências recíprocas. O resultado positivo está aí. 

Conjunto 

Há jogadores que se destacaram mais. É normal. Mas hoje é mais justo fazer a saudação coletiva. A conquista não é de um atleta. Não é ato isolado deste ou daquele por mais que as contribuições tenham sido diferentes. Os esforços na conquista são somados. O elenco venceu. A força do conjunto triunfou. Parabéns ao grupo. Merecido bicampeonato.    

Pílulas 

A história de um título de campeão é maior quando somada a outras histórias e títulos passados. Na pessoa do saudoso Alcides Santos, fundador do clube, a homenagem a todos os continuadores desse ideal que avança anos após ano, numa força hereditária invisível. 

Também no campo de jogo, a mesma herança em vista do que foi edificado por ídolos do passado. A todos os atletas que vestiram a camisa do Leão, este título de agora vira homenagem na saudosa lembrança de um nome inesquecível: eternamente, Mozart. 

Ouça o podcast 'FortalezaCast'

Powered by RedCircle