Equilíbrio total nas primeiras posições

Esta primeira fase, sem os dois maiores times do Estado, poderia ser insossa, mas está sendo agradável

jogador do ferroviário chuta a bola com marcação colada
Legenda: Fora do G4 do Cearense, Ferroviário ainda não venceu na competição
Foto: Lenilson Santos/Ferroviário

Está animado. Gosto quando as equipes ficam embaralhadas, bem próximas em pontos e posições. É aí que o campeonato ganha emoção e interesse. Esta primeira fase, sem os dois maiores times do Estado, poderia ser insossa. Mas, pelo contrário, está sendo agradável pelo equilíbrio das equipes. Isso sem contar algumas surpresas. Veja a situação do Ferroviário: com dois jogos e dois empates, está fora do G-4.

Ainda não sabe o que é vencer. Agora, no jogo de amanhã diante do Atlético, sente a pressão pela vitória. Se houver mais um tropeço, perderá o contato com os líderes. Caucaia (1º), Maracanã (2º) e Crato (3º) estão iguais no número de pontos (4), vitória (1), empate (1) e derrota (0). Já se vê então como será dura a disputa por uma vaga na Copa do Brasil. Depois vem o Pacajus, quarto colocado, mas coladinho (3 pontos, uma vitória e uma derrota). E assim está formado o G-4, após duas rodadas.

É claro que não há como traçar um perfil definitivo dos contendores. Mas há indicativos que podem e devem ser levados em consideração. Um deles: Ferroviário e Icasa, únicos campeões cearenses desse grupo de oito, terão de reagir rápido, se quiserem manter vivos os seus objetivos. O começo para os dois não está sendo bom.

Cuidado

A política interna dos clubes, quanto a contratações e dispensas, é privativa. Não cabe ingerência de quem quer que seja. Dou a minha opinião sobre os fatos, mas com as devidas reservas. Motivo da prudência: não sei, por exemplo, os detalhes relativos aos valores financeiros que possam ter brecado a permanência de qualquer atleta.

Estranho

A não permanência do goleiro Felipe Alves no Fortaleza gerou muitas especulações. Na época de Rogério Ceni, Felipe se tornou um dos melhores do Brasil, máxime por saber, como poucos, iniciar com os pés a formulação das jogadas. De repente, dispensado. Certamente havia indisposições. O verdadeiro motivo, mais cedo ou mais tarde, virá à tona.

Solução

A contratação do centroavante Zé Roberto resolverá de vez a carência existente no comando de ataque do Ceará? Está aí uma pesquisa de difícil resposta. Zé Roberto é habilidoso, rápido, bom finalizador. Apesar dessas boas qualidades, tudo dependerá da devida adaptação do jogador ao modelo a ser trabalhado pelo técnico Tiago Nunes.

Atacante

Ainda que o Ceará contrate mais um atacante, reafirmo: o Vozão fará bobagem se emprestar Clebão. É um jogador que poderá ser muito útil. Noto uma certa má vontade da torcida para com o atleta. É a velha discriminação porque ele veio do Barbalha. Complexo de inferioridade. Clebão tem valor. O técnico tem de saber maximizar as qualidades do atacante.