Pequenas dominam mercado de banda larga no Ceará, segundo Anatel

Brisanet cresce 80% ao longo de 2020 e lidera ranking de maior market share até novembro do ano passado

Técnico instala fibra óptica
Legenda: Há oportunidades para instalador de Telecomunicações, reparador de Telecomunicações e emendador de Cabos de Fibra Ótica
Foto: Foto: Sharkstock/Shutterstock

A criação do Cinturão Digital pelo Governo do Estado em 3 de novembro de 2010, trazia a promessa de que todo cidadão do Ceará teria acesso, algum dia, à internet banda larga com fibra óptica. Passados 11 anos, isso está virando realidade. Pequenas e médias empresas apostaram no negócio e, ancoradas ao Cinturão Digital, principalmente, além de investimentos nas zonas descartadas pelas gigantes, começaram a ofertar serviços de banda larga fixa com fibra óptica com bons preços no Interior e nos pontos esquecidos pelas gigantes da internet em Fortaleza.

Na administração do Cinturão, desde vitória em um leilão em 2015, estão três empresas que formam o consórcio BMW (Brisanet, Mob Telecom e Wirelink). Elas terceirizam a infraestrutura para mais de 500 pequenos provedores de internet também cearenses. E assim temos a popularização da banda larga fixa com a tecnologia de fibra óptica.

A partir de 2016, as pequenas empresas, ancoradas pelo Cinturão Digital e muito investimento nas áreas que as grandes não atuavam, começaram a crescer para, hoje, tomarem o mercado no Ceará
Legenda: A partir de 2016, as pequenas empresas, ancoradas pelo Cinturão Digital e muito investimento nas áreas que as grandes não atuavam, começaram a crescer para, hoje, tomarem o mercado no Ceará
Foto: Reprodução site da Anatel

Enquanto as gigantes dormiam em berço esplêndido, as pequenas e médias foram crescendo e ganhando mercado. Quem tem esses serviços hoje em dia nem perde tempo ouvindo propostas das companhias nacionais que, por muito tempo, viraram as costas para grande parte dos interessados em navegar com melhor qualidade de internet aqui no Estado. Pois bem, agora vai ser difícil recuperar o tempo perdido. No Ceará, ao menos, as pequenas dominam o ranking de banda larga fixa e na Capital já estão caminhando para virarem o jogo também. 

Em Fortaleza, as grandes empresas ainda dominam o mercado de banda larga fixa, mas o reinado delas pode chegar ao fim já este ano, visto que o crescimento das pequenas está em evolução
Legenda: Em Fortaleza, as grandes empresas ainda dominam o mercado de banda larga fixa, mas o reinado delas pode chegar ao fim já este ano, visto que o crescimento das pequenas está em evolução
Foto: Reprodução site da Anatel

Destaque

Entre uma destas empresas que vem se destacando está a Brisanet. O ano de 2020, o terrível ano da pandemia do novo coronavírus, resultou em crescimento muito destacado para a empresa fundada há 22 anos. A Brisanet teve um acréscimo de aproximadamente 80% no número de assinaturas. Agora a companhia soma mais de 600 mil assinantes e com 5.550 empregados, onde 2.717 foram contratados só em 2020. Além disso, de acordo com o último levantamento do portal Teleco, a Brisanet lidera o ranking das operadoras competitivas de banda larga fixa (fibra) no Brasil. No Ceará, ela é a número um. Segundo dados de novembro de 2020 da Anatel, a empresa lidera com 22,5% do market share no mercado de banda larga fixa. Quase o dobro da segunda colocada, a OI, que tem 11,4%.

Brisanet lidera o market share de banda larga fixa no Ceará
Legenda: Brisanet lidera o market share de banda larga fixa no Ceará
Foto: Reprodução do site da Anatel

Para o biênio 2021/22, de acordo com o sócio-diretor comercial do Grupo Brisanet, Jordão Estevam, a expectativa é de que a Brisanet, junto a sua rede de franquias Agility Telecom, amplie sua cobertura para todos os nove estados do Nordeste. "O nosso grande objetivo é conseguir entregar a excelência dos nossos serviços desde cidades afastadas dos grandes centros urbanos até capitais por toda a região Nordeste”, completa.