PT e seu paradoxo no Ceará

A julgar pelo panorama de hoje, são pequenas as chances de o PT, isoladamente, emplacar o seu candidato - seja ele quem for - no segundo turno da disputa pela Prefeitura de Fortaleza. Isso, entretanto, não retira a relevância do partido para o cenário eleitoral da Capital. Na semana passada, a legenda praticamente bateu o martelo sobre candidatura própria, após a vinda da presidente nacional do partido, Gleisi Hoffman, ao Ceará. O principal nome é o de Luizianne Lins, mas ainda há teses de que um nome mais próximo do governador Camilo Santana possa vir a ser discutido até abril.

Candidatura

O chefe do Executivo, por sinal, corresponde a um grande paradoxo para o petismo no Ceará, especialmente na Capital. Camilo, reeleito com quase 80% dos votos em 2018, é a principal liderança do Partido no Estado, mas a proximidade com o PDT do prefeito Roberto Cláudio, de Cid e Ciro Gomes, e a composição do projeto político do qual não abre mão, já tendo reiterado isso algumas vezes, dificultam a defesa de Camilo a uma candidatura que não seja em acordo com todos.

Disputa de teses

Nos últimos meses, petistas mais próximos ao governador Camilo Santana passaram a defender teses de que o adversário maior é o 'bolsonarismo' e não o PDT, na tentativa de conduzir uma política da boa vizinhança que facilite - consolidada a tese de candidatura própria - uma aproximação no segundo turno. Tese quase impossível de prosperar caso a ex-prefeita Luizianne seja a candidata, por ser adversária dos Ferreira Gomes no Estado.

Novos nichos

O presidente do PT em Fortaleza, vereador Guilherme Sampaio, é o outro pré-candidato da legenda. Entre os correligionários, ele defende a tese de que um nome novo do partido possa agregar novos apoios e possa atingir novos nichos do eleitorado. Seria uma candidatura menos previsível em termos de resultado do que a de Luizianne. Guilherme também se aproximou do governador Camilo e defende um papel central dele nas negociações, na tentativa de ganhar mais apoios na legenda e até fora dela.

Disputa em Caucaia

Um fato novo está circulando nos bastidores e tem agitado a sucessão municipal em Caucaia, o segundo maior município em número de eleitores no Estado. O ex-prefeito Washington Gois está sendo apontado como pré-candidato, numa tentativa de unir lideranças municipais como o ex-deputado José Gerardo Arruda. Lá, há muitos pré-candidatos, mas os principais do momento são o prefeito Naumi Amorim (PSD) e o deputado estadual Vitor Valim (Pros). O que pode dificultar os planos é o fato de Dr. Washington, como é conhecido, ser investigado pela Polícia Federal em um inquérito na Operação Afiusas, que apura desvios na Prefeitura do Município quando ele era gestor.

Chapa forte

Entre os que estão de olho nas 43 cadeiras de vereador que estarão em disputa na Eleição deste ano, tem chamado atenção a movimentação do PSB que será, fatalmente, uma das principais legendas da base de Roberto Cláudio para o embate. Um dos nomes mais badalados é o de Pedro Mesquita Filho, o 'PPCell', que obteve mais de 14 mil votos em 2018 para deputado estadual.