Família denuncia troca de corpos envolvendo idosa vítima da Covid-19 em hospital de Fortaleza

O hospital garantiu um translado para o município de Santa Quitéria, a 222 km da Capital, para onde o corpo de Mirian pode ter sido levado para ser sepultado pelos familiares da outra idosa envolvida

Escrito por Redação, metro@svm.com.br

Metro
Troca de corpo de idosa em Fortaleza
Legenda: No momento do reconhecimento do corpo, o filho da idosa se deparou com o corpo de uma outra pessoa com “traços semelhantes” aos da mãe.
Foto: Arquivo Pessoal

"Minha mãe passou 22 dias afastada da gente, sem podermos vê-la e infelizmente veio a falecer". A dor do filho, o educador social Ermeson Farias, se mistura ao sentimento de indignação e tristeza por não ter o direito de sepultar o corpo da mãe da maneira correta. A idosa Maria Mirian Farias, 71, faleceu neste sábado (6) vítima da Covid-19, no Hospital Fernandes Távora, em Fortaleza, onde estava internada há 9 dias. Segundo Ermeson, a mãe foi confundida no momento da liberação de seu corpo com o de uma outra idosa com "traços semelhates" aos dela.

Emerson Farias descobriu a troca de corpos após o procedimento de reconhecimento, na manhã deste domingo (7).  “Disseram que a outra família veio e reconheceu o corpo ou então a funerária trocou”, denuncia. O hospital garantiu um translado para o município de Santa Quitéria, a 222 km da Capital, 
para onde o corpo de Mirian pode ter sido levado para ser sepultado pelos familiares da outra idosa envolvida, Maria do Carmo.

"O hospital disponibilizou o translado para levar o corpo da Dona Maria do Carmo. Lá vai ser feita a exumação, vou reconhecer o corpo da mãe e trazer de volta. Não sei que horas vamos voltar, mas vamos fazer o sepultamento hoje mesmo", explica Emerson. De acordo com ele, o procedimento deve ser simples, já que o sepultamento da dona Maria foi neste domingo (7) e "a funerária já resolveu tudo. Então, é só trazer de volta", pontua.

“Desde o começo quis fazer o reconhecimento do corpo. A equipe médica disse que havia o risco de contaminação e que eu teria que me responsabilizar caso fosse infectado, afirmando que não precisava vir. Ainda assim, fiz", lembra Emerson. O educador social ressalta que ninguém da admistrativo ou serviço social do hospital entrou em contato com ele. Os procedimentos para trocar os corpos foram realizados pela coordenadora de zeladoria da unidade.

Troca

“Ontem, a gente chegou ao hospital por volta das 14 horas. O cemitério que iria fazer o sepultamento fica em Caucaia (na Grande Fortaleza). Por conta do horário, achamos melhor e mais prudente fazer o sepultamento hoje, às 9h30. Marcamos com a funerária 8h, chegamos aqui 7h40 e simplesmente o corpo da minha mãe havia sumido”, lembra Ermeson.

 “Somos mais uma família a passar por isso. A gente esperava que isso nunca fosse acontecer", lamenta a neta, Daysiane Correia,  neta de Mirian. A família também realizou um Boletim de Ocorrência (BO) em uma delegacia da Capital para denunciar o desaparecimento de corpo.

"Eles disseram que o rapaz que veio reconhecer o corpo estava alcoolizado e não sabe ler. Ainda assim, a gente responsabiliza o hospital porque não tinha nenhum profissional especializado com esta pessoa. Nos disseram que havia apenas um segurança e não é responsabilidade dele fazer isso”, comenta a outra neta de Mirian, Isabelle Farias.

Idosa corpo trocado em Fortaleza
Legenda: Familiares estiveram durante toda a manhã no hospital onde a idosa estava internada, em Fortaleza.
Foto: Kilvia Muniz

Mirian começou a sentir sintomas respiratórios parecidos com os causados pela Covid-19 em meados de maio e, após ser atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), conseguiu um leito de UTI do Hospital Fernandes Távora. 

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Hospital

Durante a pandemia de Covid-19, o Hospital Fernandes Távora está prestando serviços de assistência à pacientes com a doença. No último dia 1º, o prefeito Roberto Cláudio explanou, em transmissão ao vivo nas redes sociais, sobre a parceria entre a Prefeitura de Fortaleza e o Hospital. “Está disponibilizando 8 leitos de UTI e 40 de enfermaria para ampliar a nossa capacidade de internação hospitalar para o tratamento da Covid”, disse o representante, na ocasião.

Na manhã deste domingo (7), a reportagem entrou em contato, por e-mail, com a Secretaria da Saúde de Fortaleza, que pediu para redirecionar a demanda à Secretaria da Saúde (Sesa) do Ceará. A Pasta, por sua vez, informou, por meio de ligação telefônica, que embora a unidade conte com leitos tanto do Município como do Estado, os assuntos pertinentes ao funcionamento do Hospital são de responsabilidade da gestão da unidade. 

Além disso, o Diário do Nordeste tentou contactar a direção do Hospital Fernandes Távora na manhã deste domingo (7), por telefone e e-mail. O objetivo era saber a versão do hospital sobre o ocorrido, assim como quais os procedimentos legais a partir deste momento no que diz respeito a devida recuperação do corpo. Até a publicação, no entanto, não teve retorno.