Xico Sá fala sobre conciliação de política e poesia em live nesta terça-feira (20)

Escritor participa às 19h do Projeto Palavras, ao lado do secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba

xico sá
Legenda: Literatura e política estão entre os interesses de Xico Sá

“Gostaria muito mais de ser o cronista do amor exagerado do que o cronista dessa urgência. Mas não tem outra forma: o momento pede muito isso”, introduz o escritor e jornalista Xico Sá sobre a dimensão política dos textos que vem produzindo ultimamente. O colunista do Diário do Nordeste aprofundará a discussão sobre esta e outras inquietações nesta terça-feria (20), às 19h, em live mediada pelo secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba.

A programação é uma iniciativa do Projeto Palavras, que busca promover a democratização do livro e da literatura cearense com ênfase na formação de leitores. “Esse inevitavelmente vai ser o grande tema da minha conversa com Fabiano, porque nunca vivemos um paraíso em termos de educação, de incentivo à leitura ou política de livro, biblioteca, mas hoje estamos no apocalipse”, denuncia o escritor cratense.

Neste sentido, Xico lança críticas à mentalidade de que “pobre lê no máximo livros didáticos adotados nas escolas”. É que ideia semelhante vem embasando alguns argumentos da equipe econômica do Governo Federal para promover uma reforma tributária que pode incidir no aumento do preço desses produtos.

“Quando você tem uma mentalidade dessa, se torna infinitamente mais importante que a gente esteja nesse combate, que a gente diga que pobre além de ler, ama ler e só não lê mais porque não tem uma política pública voltada para o livro”, defende.

Trajetória de resistência

Essas convicções, aliás, estão com o cearense desde muito cedo. Primeiro no Cariri, nas escolas e bibliotecas públicas, e depois na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde com a primeira bolsa de estudos que recebeu na vida fez campanhas em colégios da periferia do Recife.

Já mais recentemente, em 2019, ele participou do projeto “Você é o que Você Lê” ao lado do ator e humorista Gregório Duvivier e da atriz e apresentadora Maria Ribeiro, visitando várias cidades pelo país num divertido encontro literário.

Xico Sá
Legenda: O incentivo à leitura é uma preocupação que acompanha o escritor cratense desde cedo

Sempre tive essa preocupação como cidadão e como escritor passei a ter em dobro, porque não adianta a gente ficar se achando os bacanas, os cronistas, os ficcionistas, se a gente não tem do outro lado um bom público de leitores. Não basta escrever livro, a gente tem que ser lido. Então, pra gente ser lido, tem que ser uma política de corpo a corpo com leitores”, avalia.
Xico Sá
Escritor

Xico não é simpático à ideia do escritor que fica em casa, na varanda, solitário, isolado num canto, imaginando histórias para a humanidade. “Escritor num país como nosso tem que fazer corpo a corpo com leitor, batendo-papo, vendendo livro em feira, defendendo seu livro, ocupando bibliotecas, nossa guerrilha é essa”, aponta, fazendo as devidas ressalvas ao contexto sanitário da pandemia.

No momento, inclusive, ele depende deste “calendário pandêmico” para lançar o novo romance intitulado “A falta”, sobre a história de um "goleiro existencialista". “Está praticamente acabado, mas tô achando muito estranho a possibilidade de publicar um livro sem abraços, sem tomar uma com amigos. Espero que a vacina avance pra gente conseguir fazer um lançamento presencial”, diz.

Bate-papo na live

No encontro desta noite, Xico promete dar mais detalhes deste livro em andamento, além de percorrer algumas de suas obras. O cratense é autor de “A Pátria em Sandálias da Humildade” (editora Realejo), “Os Machões Dançaram - Crônicas de Amor & Sexo em Tempo de Homens Vacilões” (Ed. Record), “O Livro das Mulheres Extraordinárias" (Ed. Três Estrelas), "Big Jato” (Ed. Companhia das Letras), “Modos de Macho & Modinhas de Fêmea”(ed. Record), “Chabadabadá – O Macho Perdido e a Fêmea que se Acha” (Ed. Record), “Sertão Japão” (Ed. Casa de Irene), entre outros.

“Como manter a verve poética e, ao mesmo tempo, não baixar a guarda em relação a essa resistência que a gente tem que ter nesse momento? Esse dilema é o de todo artista, de certa forma dos jornalistas. A gente vive essa questão hoje, e vamos tocar bastante nesse assunto mais tarde”, adianta.
Xico Sá
Escritor

Xico até se admite um pouco angustiado, por estar falando tanto de política, mas acredita que o momento exige esse plantão. “Essa é uma fala e uma atuação que é mais cidadã do que até mesmo de escritor. Não dá pra fingir que nada está acontecendo quando a gente tá perdendo muita coisa. Será que é possível conciliar poesia e política numa hora dessa? Eu creio que sim. É isso que eu tento hoje”, finaliza, em convite a prolongar a conversa na live de logo mais.

Serviço:

Projeto Palavras, com Xico Sá
Nesta terça-feira, às 19h, no instagram @palavras.projeto  e canal do YouTube da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará. Gratuito.

> O projeto Palavras é uma realização do escritor e produtor Almir Mota e da contadora de histórias e terapeuta Júlia Barros numa ação conjunta com a Biblioteca Estadual do Ceará e o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. A programação segue às terças, quintas e sextas, sempre às 19h, de forma gratuita. O público infantil conta com atividades às quartas-feiras, às 9h e às 14h30.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?