Reinado do Leão parece não ter fim

Confira a coluna do comentarista Tom Barros desta segunda-feira (25)

Atletas do Fortaleza erguem a taça de campeão cearense
Legenda: O Fortaleza comemorou o tetracampeonato cearense pela 2ª vez na história
Foto: Fabiane de Paula / SVM

Mais uma noite de glória para a família tricolor. Conquistar um título comum é uma coisa. Outra coisa, bem diferente, é somar mais um tetracampeonato. São histórias, conquistas e emoções de quatro anos consecutivos. Um somatório de sucessos em cascata, num reinado que parece não ter fim. Tudo começou com Rogério Ceni em 2019 e 2020. Vojvoda continuou em 2021 e 2022. Uma conexão perfeita como nas provas de revezamento em Atletismo, ou seja, o bastão passado e recebido com extrema competência. Prevaleceu o favoritismo da equipe de melhor estrutura física e financeira, que ofereceu ao treinador, Vojvoda, as mais variadas opções. Daí, como consequência, o repertório que o levou ao título. No primeiro jogo, houve a resistência do Caucaia que segurou o empate (0 x 0). Ontem, porém, o Fortaleza, sem dificuldades, edificou uma vitória muito tranquila. O Caucaia jogou todo atrás. O Leão, pelo contrário, foi buscar o que queria. Na primeira fase, Silvio Romero abriu o placar (1 x 0). No segundo tempo, Pikachu marcou dois gols. E coube a Ronald fechar a goleada em 4 a 0. O Fortaleza confirmou o favoritismo. Agora, certamente, já passa a sonhar com o inédito penta em 2023. Um reinado que parece não ter fim.

Lembrança 

Hoje, homenagens especiais ao presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, pelo título conquistado. E realmente ele merece. Mas ninguém pode esquecer o condutor do primeiro tetra do Leão em 2010. Numa época de extrema dificuldade financeira, foi o presidente Renan Vieira que levou o Fortaleza ao primeiro tetra. Isso merece registro.

Herói 

O Goleiro Fabiano, em 2010, foi o herói da decisão por pênaltis diante do Ceará. Fabiano pegou o pênalti cobrado por Misael. Aí saiu para o abraço. O Fortaleza foi comandado pelo técnico Zé Teodoro, que em 2019 e 2020 esteve no comando do Ferroviário. Quase 12 anos depois, o Leão conquista o segundo tetra de sua história. 

Mérito 

O Caucaia merece todos elogios. Teve uma participação brilhante nesta temporada de 2022. Na fase de grupos, terminou líder com 30 pontos, à frente do favorito Ferroviário. Aí, por falta de datas, teve de aceitar uma paralisação de mais de 40 dias, sem programação oficial. Comprometeu o seu ritmo de jogo, mas permaneceu na luta mediante treinamentos. Atitude muito digna. Parabéns.

Treinador 

Quem se fez merecedor de uma menção especial foi o técnico do Caucaia, Roberto Carlos. Mesmo com as limitações financeiras de um time de porte médio, Roberto conseguiu montar uma equipe bem definida em suas variadas propostas de jogo. Fez o que esteve ao seu alcance. Por falta de jogos, seu time cansou. Não deu para acompanhar o ritmo de uma decisão.