CGD abre investigação contra PM suspeito de agredir advogado em delegacia

Policial militar havia conduzido um suspeito de tráfico de drogas preso em flagrante. Advogado diz que levou tapa no rosto do agente de segurança. OAB e Polícia Militar se manifestaram sobre o caso

Escrito por Redação,

Segurança
A investigação foi publicada em portaria, no Diário Oficial do Estado (DOE) da última quinta-feira (11)
Legenda: A investigação foi publicada em portaria, no Diário Oficial do Estado (DOE) da última quinta-feira (11)
Foto: Kléber A. Gonçalves

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) instaurou Sindicância Administrativa para investigar um sargento da Polícia Militar do Ceará (PMCE) suspeito de agredir um advogado, dentro de uma delegacia da Polícia Civil do Ceará (PCCE) em Fortaleza.

A investigação foi publicada em portaria, no Diário Oficial do Estado (DOE) da última quinta-feira (11). Conforme a CGD, o PM pode ter violado valores militares e cometido transgressões disciplinares.

O caso aconteceu por volta de 20h30, do dia 8 de fevereiro deste ano, nas dependências do 10º DP (Antônio Bezerra). O policial militar havia conduzido um suspeito de tráfico de drogas preso em flagrante.

O advogado Antônio Levy Vasconcelos Feitosa afirma que acompanhava o cliente preso, quando levou um tapa no rosto do sargento da Polícia Militar. O seu irmão, também advogado, Felipe Vasconcelos Feitosa, ainda teria sofrido agressões verbais por parte do policial.

A Ordem dos Advogados do Brasil - Secção Ceará (OAB-CE), através do Centro de Apoio e Defesa da Advocacia, foi acionada e acompanhou os profissionais no momento da ocorrência. A entidade solicitou uma apuração do caso à CGD e ao Ministério Público do Ceará (MPCE) e lançou nota de repúdio à atitude do policial militar.

“Sendo certo que o advogado, que já tinha sido lesionado, continuou sendo constrangido a todo momento, a situação poderia ter tido um fim ainda pior se não tivesse havido a intervenção da delegada, que respondia pelo distrito policial no momento. Diversos impropérios foram proferidos pelo sargento ao advogado e ao seu irmão”, afirmou a OAB-CE, em nota.

Já a Polícia Militar do Ceará informou, também por nota, que “houve um desentendimento” entre o PM e o advogado e que foi registrado um Boletim de Ocorrência (B.O.) sobre o caso na Delegacia e garantiu que “apurações serão realizadas".

“Os policiais militares foram assistidos por advogados e toda a ocorrência foi acompanhada pelo Coordenador de Policiamento da Capital, bem como pelo Subcomandante Geral Adjunto da PMCE”, finalizou.

Assuntos Relacionados