Entenda por que a alta do frete marítimo impacta a sua vida

Custo subiu de maneira acentuada e vem alimentando a inflação

porto
Legenda: Frete Brasil-China chega a custar US$ 12 mil
Foto: José Leomar

Uma série de problemas na logística marítima está contribuindo para a alta de preços de uma infinidade de produtos que chegam à casa dos cearenses pelos navios cargueiros, como alimentos, eletrônicos, vestimentas, etc. Essa tendência inflacionária, aliás, deve continuar pressionando esses artigos também em 2022.

A disparada no custo do frete marítimo é um dos grandes motivos para o encarecimento, como destaca Larry Rabb Carvalho, advogado especialista nas áreas de transportes, infraestrutura e commodities.

"Você tinha um frete de contêiner antes China-Brasil no valor de US$ 1.000 - US$ 2.000 e agora isso está valendo US$ 12 mil. O impacto é muito grande. Esse aumento, sem dúvida alguma, é repassado para o consumidor final", enfatiza o especialista.

Por que o frete marítimo está caro?

Larry Carvalho explica que o desequilíbrio se dá, principalmente, por conta do crescimento da demanda por frete com o reaquecimento da economia global após a flexibilização das medidas sanitárias de contenção da pandemia.

"Além desse descompasso, a gente tem uma pressão muito grande em relação à oferta de navios. As viagens estão ficando cada vez mais demoradas, devido a problemas de falta de mão-de-obra nos portos, questões relacionadas à Covid, paralisação de terminais ao redor do globo. Então, existe um problema de fluidez muito grande", esclarece.

Para o próximo ano, o cenário deve se manter, conforme o especialista. O represamento de cargas gerado por esses fatores citados (acrescenta-se ainda a obstrução do Canal de Suez) deverá levar ainda mais um ano até ser sanado. Ele projeta que a tendência é de melhora só em 2023, para quando está prevista uma maior oferta de navios.

Importações e exportações

Em decorrência da elevação no custo do frete marítimo, já há um número significativo de empresas suspendendo as importações, que, em alguns casos, já não estão valendo a pena, especialmente quando se fala de produtos granéis de baixo valor agregado.

Larry acrescenta que o mercado nordestino tem sido muito afetado em relação às exportações. "Alguns compradores estão cancelando os pedidos porque não é mais viável", diz.



Assuntos Relacionados