Cao Hamburger diz que 'As Five' não existiria se uma das atrizes deixasse do projeto

A série "As five" tem data de estreia na Globoplay

Esta é uma imagem de Malhação - Viva a Diferença
Foto: Reprodução

Os fãs da mais premiada e celebrada edição de "Malhação" já podem comemorar. Após a volta de "Malhação - Viva a Diferença" à grade da Globo, devido à pandemia do novo coronavírus, que suspendeu as produções atuais, a série "As Five" também ganha data de estreia no Globoplay.

O anúncio será feito pelas próprias protagonistas, que farão uma live na tarde desta quinta-feira (16). A previsão inicial de estreia era o primeiro semestre deste ano, mas ela foi adiada após alterações de várias produções por causa da quarentena.

A série, já toda gravada, trará de volta as cinco amigas: Keyla (Gabriela Medvedovski), Benê (Daphne Bozaski), Tina (Ana Hikari), Lica (Manoela Aliperti) e Ellen (Heslaine Vieira), seis anos depois da trama mostrada no folhetim e focadas agora em dramas mais adultos.

Segundo Cao Hamburger, 58, diretor da novela e da série, a decisão de continuar a história de "Malhação - Viva a Diferença" (2017-2018) veio de muita insistência dos fãs e aconteceu antes mesmo de a novela vencer o Emmy Internacional Kids 2018. E completou: se uma das atrizes não voltasse, o projeto poderia não sair do papel.

"Não dá essa ideia a elas [risos]. As cinco são muito apropriadas, boas atrizes, profissionais e se identificaram muito com os personagens. Isso é um bom casting, quando a gente acerta o ator, no caso as atrizes, com os personagens. Então é difícil imaginar outras fazendo esses papeis, eu não consigo", afirmou Hamburger à reportagem.

A união das cinco acabou sendo tão perfeita que lhes garantiu uma amizade também fora da telinha. "É uma conexão muito intensa, quase demais", brinca Ana Hikari, 25. "Eu sou mineira e mineiro faz amizades pra vida inteira. E nós somos amigas de verdade, não é só trabalho", completa Heslaine Vieira, 25.

"Nós nos tornamos grandes amigas. São elas hoje em dia as amigas com quem compartilho as coisas, elas vieram ver o Caetano [filho de Daphne] e tem sido muito legal e importante pra mim, nesse momento de transição, estar com elas ali. Elas me apoiam, estamos sempre juntas", afirma Daphne Bozaski, 27.

Nesse novo projeto, Cao Hamburger afirma que as diferenças econômicas e sociais tão presentes na novela não são o assunto principal, mas um elemento importante já presente no conceito inicial da produção, assim como o feminismo, que "não é uma bandeira, mas também está impregnado lá."

Já em relação aos personagens, o diretor diz que tentou trazer o maior número possível dos que fizeram "Malhação - Viva a Diferença" de volta à série. Segundo ele, muitos mereceriam um spin-off, mas não caberiam nos 12 episódios da primeira temporada de "As Five", que segundo Hamburger será veiculada posteriormente na Globo, no horário da noite.

Quanto a uma segunda temporada, ele afirma que escreveu a primeira já pensando na continuação, mas que isso será definido mais para frente. As protagonistas ficam na torcida: "Pelo amor de Deus, acho que falar de amizade vai render para vida inteira. Enquanto tiver oportunidade de fazer a Ellen eu estou aí, seja com 40, 50, 60 anos", garante Heslaine.

TRABALHOS

Mas por onde andaram as cinco adolescentes, ou não tão adolescentes na vida real, desde o fim de "Malhação - Viva a Diferença"? Daphne, com certeza, foi a que teve a maior mudança de vida nesses últimos dois anos, com o nascimento de seu primeiro filho, Caetano, 1. Mas nenhuma delas ficou parada.

"Eu engravidei um pouco depois que acabou 'Malhação' e aí foi muito louco. Quando você engravida você acha que nunca mais vai conseguir trabalhar, dá um desespero e felicidade ao mesmo tempo. Mas foi muito legal, eu trabalhei muito durante minha gravidez, fiz teatro, projetos de voz original, várias coisas. Eu não imaginava."

O teatro também fez parte da vida de Gabriela Medvedovski, 28, nesses últimos dois anos. Junto ao coletivo Motim, ela desenvolveu o projeto da peça "Lugar de Escuta", tendo participado das duas primeiras temporadas. "É uma peça mega intimista, mas que acabou bombando no circuito alternativo de teatro", conta a atriz.

Manoela Aliperti, 24, e Ana usaram esse tempo entre a novela e a série para se dedicarem aos estudos, tendo ambas se formado em artes cênicas. Já Heslaine, se dividiu entre TV e cinema. Participou da série "Carcereiros" e de uma série de longas, como "L.O.C.A" (2018), "Os Parças 2" (2019) e "Derrapada"(2019).

"Infelizmente, isso não é muito comum, principalmente para uma atriz negra, mulher. Mas estou tendo um caminho muito legal, de muito trabalho. Eu saí de Malhação e já fiz Carcereiros, uma das imagens mais fortes que já fiz... Depois foram três filmes, em que eu tive a chance de pintar o cabelo de rosa, sempre quis."

E as coisas não param por aí. Coincidência ou não, parte das meninas se reencontrará em breve, na próxima novela das 18h, "Nos Tempos do Imperador", que chegará à programação da Globo após o período de reprises devido ao coronavírus. Heslaine, Daphne e Gabi já estão confirmadas no folhetim.

 


Assuntos Relacionados