Assassinos da memória, coveiros do passado

Fachada do Romeirão demolida
Legenda: O Estádio Romeirão é um dos principais palcos esportivos do futebol cearense

O comentarista Wilton Bezerra demonstrou sua extrema decepção e tristeza ao ver a demolição da fachada principal do Estádio Mauro Sampaio, o Romeirão. E aqui estou solidário na dor. Estive também na inauguração desse estádio em 1970. Uma festa inesquecível. A atual onda avassaladora de reforma dos estádios esmigalha sem piedade os sentimentos de recordação e de saudade. O que os conservadores pediram foi simples: apenas a preservação da antiga fachada. Justo pedido. 

Mas a insensibilidade dos modernos construtores deu pencas de banana para o passado e mandou derrubar a fachada, como se ali não estivessem cinquenta anos de história. Lembrei do grande compositor Adoniran Barbosa: “Cada tauba que caía, doía no coração”. Insensatos construtores. Perversos construtores. Homens sem alma e sem respeito. Em nome da modernidade, são capazes de tudo. Assassinos da memória, coveiros do passado. Perderam a oportunidade histórica de selar com Juazeiro do Norte um legítimo compromisso de amor às tradições de seu povo, de sua gente. A memória do futebol juazeirense foi apunhalada pelas costas. 

Exemplo 

O Estádio Presidente Vargas foi modernizado, mas preservada a fachada principal. E lá está a mesma fachada. Não diminuiu a importância da reforma. Pelo contrário, valorizou-a. Nessa parte, registre-se a participação de quem foi responsável pela reforma: o historiador e vereador Evaldo Lima. 

Formação 

Evaldo, pela sua formação acadêmica (graduado em História pela Universidade Estadual do Ceará), sabia da importância de manter o portal por onde, desde 1941, transitaram todos os ídolos do futebol cearense. Na fachada mantida está a ponte que une o ontem e o hoje num só monumento.   

Crime 

Que decepção a demolição do lendário estádio de Wembley, em Londres. O povo inglês, tão fiel às tradições de uma monarquia secular e afeito aos costumes, deixou que derrubassem Wembley. Prometeram preservar as duas torres da fachada. Mentira. Colocaram tudo abaixo. Um crime. 

Encontro 

Em 2002, um evento especial marcou a despedida de Wembley. Pelé, que nunca havia atuado lá, participou. Cobrou um pênalti, tendo no gol o famoso Gordon Banks, goleiro que tinha feito a defesa do século numa cabeçada de Pelé na Copa do México em 1970. Pelé converteu o pênalti. Depois, Pelé e Banks posaram para fotos.