Mau ou bom pagador? Entenda por que seu escore de crédito varia

As notas variam tanto que para um local você pode ser bom pagador e para outro um devedor

Desde que a consulta aos escores do Cadastro Positivo se tornou possível, consumidores estão se deparando com notas divergentes entre os bureaus de crédito pesquisados. A pontuação de uma mesma pessoa pode, por exemplo, ser 587 em uma plataforma e 836 em outra. Assim, em um deles, o consumidor pode ser considerado bom pagador e, em outro, nem tanto - ou devedor.

A divergência se dá porque cada bureau de crédito deve receber os mesmos dados de bons e maus pagamentos dos consumidores, mas o peso desses dados no cálculo do escore pode mudar de um bureau para o outro, assim como a fórmula de cálculo. Atualmente, os bureaus de crédito responsáveis por administrar o Cadastro Positivo - Boa Vista SCPC, Quod, Serasa Experian e SPC Brasil - já estão recebendo dados de instituições financeiras, a exemplo dos bancos.

O presidente da Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), Elias Sfeir, explica que a nota de crédito vai de 0 a 1.000 e que de fato ela pode apresentar variações conforme o modelo de pontuação adotado pelo birô escolhido. “Os birôs de crédito gerenciadores do Cadastro Positivo adotam diferentes critérios para a composição de suas notas de crédito, geradas com base na análise de informações dos hábitos de pagamento de consumidor e empresas”.

O diretor de dados da Quod, Ricardo Thomaziello, explica que a fórmula utilizada para o cálculo da nota do consumidor não é divulgada. “A gente utiliza os dados que são permitidos dentro da legislação do Cadastro Positivo”, diz. Até agora, a Quod já tem acesso ao histórico de crédito dos clientes de mais de 60 instituições financeiras e registro de consumidores de mais de 80 instituições.

“O número de pessoas físicas que tem informações de histórico de crédito (no bureau da Quod) já passou de 80 milhões. E vai mudando. Pode ser que algumas pessoas saiam, mas a cada dia, informação nova vai chegando”, detalha Thomaziello.

Além disso, nem todas as notas dos consumidores já estão considerando as informações do Cadastro Positivo. Algumas estão levando em conta apenas informações de maus pagamentos, como é o caso do cadastro de alguns consumidores junto ao bureau Boa Vista SCPC. Os consumidores cujos dados de bons pagamentos ainda não constam na plataforma, no momento do acesso ao Cadastro Positivo, conseguem visualizar o score marcado com um asterisco.

O símbolo informa, logo abaixo da pontuação: “Não considera informações do Cadastro Positivo”. Os consumidores cujas informações do Cadastro Positivo já estão sendo consideradas conseguem visualizar o escore sem o asterisco. A reportagem tentou contato com o bureau de crédito, mas não teve resposta até a publicação desta matéria.

O escore do consumidor junto ao SPC Brasil, já disponível para consulta no site, leva em consideração os dados de bons e maus pagamentos. O bureau de crédito informa que não abre a fórmula com os respectivos pesos das informações usada para calcular a nota de crédito.

A Serasa informa que o processo de implementação do novo Cadastro Positivo tem acontecido em fases e que, aos poucos, as informações vão incorporando o Serasa Score. Atualmente, o Serasa Score é “formado por informações relevantes como cadastrais, negativas e positivas para a análise de risco de crédito”. A nota é calculada sempre na hora do acesso, refletindo o comportamento do consumidor até aquele momento.

“Espera-se que, em breve, as empresas de telecomunicações enviem os dados positivos aos gestores de bancos de dados e, depois, as concessionárias de energia elétrica e gás e o setor de varejo. À medida em que as fontes enviarem os dados positivos para a Serasa Experian, estes poderão ser incorporados ao Serasa Score, que considera as informações disponíveis nas bases de dados da Serasa Experian no momento da consulta”, diz o bureau de crédito.

Uso de informações

No ano passado, os brasileiros começaram a receber notificações sobre a inclusão do nome no Cadastro Positivo. No dia 15 de janeiro deste ano, a consulta às notas foi liberada para as empresas. Os dados foram disponibilizados para as empresas 60 dias após o consumidor receber a notificação de entrada das próprias informações no Cadastro Positivo.

Até o momento, entraram no Cadastro Positivo os dados referentes ao relacionamento do consumidor com instituições financeiras. Ainda não há uma data específica para a entrada de dados de empresas de outros segmentos no Cadastro Positivo, mas a expectativa dos bureaus de crédito é de que, ainda este ano, dados de bons pagamentos junto à companhias fornecedoras de serviços essenciais, como água e luz, e empresas de telefonia entrem na base do Cadastro Positivo.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados