NO CENTRO DA CIDADE

Prejuízo nas lojas; maioria desiste de abrir no feriado

Shopping centers, supermercados e lojas da Av. Monsenhor Tabosa funcionam normalmente hoje

Devido à insegurança diante dos ataques criminosos ocorridos em Fortaleza nos últimos dias, parte dos comerciantes do Centro da Capital optou por não abrir seus empreendimentos no feriado de hoje ( Foto: José Leomar )
00:00 · 21.04.2017 / atualizado às 10:12

Parte do comércio de rua do Centro de Fortaleza não funciona neste feriado de Tiradentes. Shopping centers, supermercados e estabelecimentos da Avenida Monsenhor Tabosa abrem normalmente hoje (21). Até ontem (20), a decisão era de que as lojas de rua abririam as portas normalmente hoje, mas devido aos ataques criminosos que alteraram a rotina da cidade nos últimos dias, os comerciantes associados da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) decidiram pela não abertura dos estabelecimentos neste feriado de Tiradentes.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, explica que a abertura do comércio é facultativa, portanto, poderão haver lojas funcionando no Centro de Fortaleza.

Perdas

O comércio e serviços já amargam prejuízos econômicos em razão dos ataques. Ainda de acordo com Cid Alves, haverá perdas no faturamento das lojas do Centro, uma vez que a região é a principal responsável pelos ganhos do comércio da Capital.

"No momento não temos como estimar de quanto serão estas perdas, mas com certeza haverá prejuízos", afirma Alves.

Na quarta-feira (19), por conta dos incêndios a 17 ônibus, o transporte público funcionou de forma irregular, prejudicando as vendas no varejo da Capital cearense, cuja maioria da população depende dos coletivos. Ontem, criminosos ainda atearam fogo em mais ônibus e também atacaram agências bancárias e órgãos oficiais.

"Nas lojas de rua, os lojistas tiveram queda no faturamento, principalmente, na quarta-feira. Na parte da tarde, quase não havia clientes nas lojas. Nesses momentos, por cautela, até as pessoas com carro preferem ficar em casa", afirma o presidente do Sindilojas, Cid Alves.

"FORTALEZA SOB ATAQUES" - LEIA AINDA
.Das facções, apenas a GDE deu ordens para ataques
.Líder da FND morto com tiros de fuzil
.Atenções estão voltadas para unidades prisionais
.Cobrador é atingido pelo fogo, e estado é gravíssimo
.Comboios e escoltas nas saídas dos terminais
.Deputados condenam as ações dos criminosos em Fortaleza
.Governador diz que ações no CE são 'terrorismo'

Acordo

A abertura de parte do comércio fortalezense neste feriado de Tiradentes busca minimizar as perdas ocasionadas pela desaceleração da economia brasileira. O acordo firmado entre o sindicato dos lojistas e dos trabalhadores também inclui a abertura do comércio em outros três feriados: 15 de junho (Corpus Christi); 12 de outubro (Dia Nossa Senhora Aparecida/Dia da Criança); e 15 de novembro (Dia da Proclamação da República).

A última vez que o comércio funcionou em feriado foi em 25 de março, dia da Carta Magna do Ceará. "Foi um sábado, o movimento e as vendas nas lojas do Centro foram similares aos dias comuns. Esperamos o mesmo resultado para os próximos feriados em que abriremos", observa o diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza, Assis Cavalcante.

Na opinião de Cid Alves, ao invés de representar ganhos, o funcionamento de parte do comércio hoje pode significar perdas, caso a rotina de Fortaleza não esteja normalizada, com o funcionamento do transporte público regular. "Mesmo assim, se a população não sentir segurança, os empresários podem ter um custo adicional neste feriado", acrescenta.

O presidente da CDL, Severino Neto, ressalta que, assim como todos os segmentos da sociedade, o varejo também sente os prejuízos, mas é algo que não dá para ser mensurado em termos de valores. "Estamos apreensivos, mas confiantes no Estado e torcendo para que tudo seja normalizado", diz ele.

Hotéis

O feriado de Tiradentes deve trazer muitos turistas para a Capital. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (ABIH-CE), a estimativa da taxa de ocupação para o período é de 54%, o mesmo percentual registrado no feriado da Semana Santa. Para Alexandre Pereira, secretário municipal de Turismo, os indicativos da rede hoteleira são positivos, já que diante do cenário econômico do País, Fortaleza está conseguindo manter os números. "No mesmo período do ano passado fechamos a ocupação próxima aos 60%, esse ano esperamos superar os 55%. Isso não quer dizer que receberemos um número menor de turistas. Com a economia em baixa, os viajantes têm procurado economizar e acabam dividindo apartamentos ou ficando na casa de amigos e parentes", destacou Pereira.

De acordo com a pesquisa do Ministério do Turismo, a intenção de viagem dos brasileiros apresentou crescimento pelo 3º mês consecutivo e o Nordeste continua na liderança da preferência do turista nacional, com 41,5% do total de viajantes, seguido pelo Sudeste, com 29,6%.

"A pesquisa do Mtur só vem reafirmar que os brasileiros não estão deixando de viajar e o que o Nordeste continua sendo a preferência nacional. Fortaleza está na liderança da região. Os feriadões movimentam o turismo e geram uma renda extra para o comércio e todo o trade", afirma Alexandre Pereira.

Na opinião do vice-presidente da ABIH-CE, Darlan Leite, o governo estadual, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), está "agindo de forma enérgica e rápida para coibir os ataques". Por outro lado, Darlan informa que vários clientes que fizeram reservas em hotéis de Fortaleza ligaram para os estabelecimentos, nos últimos dois dias, para pedir informações sobre os ataques que vem ocorrendo na cidade.

"Acreditamos que tudo estará normalizado amanhã (hoje), não influenciando no cancelamento de reservas. Mas, com certeza, esses ataques afetaram novas reservas, afastando turistas que pensavam em passar o feriado em Fortaleza", destaca.

De acordo com ele, na última segunda-feira (17), levantamento da ABIH-CE mostrou que o nível de ocupação para o feriadão de Tiradentes na Capital cearense estava em 53,82%. "Esperávamos que esse número chegasse a 60%, considerando que, em 2016, o nível fechou em 62%. Torcemos para que a situação volte ao normal, porque, caso contrário, vai fazer com que os turistas evitem passear pela cidade", complementa Darlan.

Bares e restaurantes

O presidente do Sindicato dos Bares, Restaurantes, Barracas de Praia, Buffets e Similares do Estado do Ceará (Sindirest-CE), Moraes Neto, informa que os ataques também foram responsáveis pela queda da movimentação de clientes, principalmente, em estabelecimentos localizados no Centro da cidade. Os shoppings também foram impactados. Ele espera que, a partir de hoje, o problema esteja resolvido para que o consumidor não tenha receio de sair de casa e escolha curtir o feriadão em barracas de praia e bares. "Esperávamos uma movimentação extraordinária neste feriado, mas vamos torcer para que tudo seja regularizado. Essa situação cria um pânico muito grande na sociedade, consequentemente, prejuízos para nós", pontua.

Monsenhor Tabosa

As lojas da Avenida Monsenhor Tabosa também funcionam neste feriado. Os estabelecimentos iniciam suas atividades às 9 h e seguem até as 16 horas. Já no sábado (22), o horário será normal, de 9 às 17 horas.

Para a presidente da Almont (Associação dos Lojistas da Monsenhor Tabosa), Márcia Sérgia, os feriados prolongados serão oportunidades para incrementar as vendas na Avenida. "Teremos praticamente três feriadões em abril. Fortaleza recebe milhares de turistas a cada feriado. Será uma oportunidade para o turista que quiser aproveitar o dia fazendo compras", destaca.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.