Transnordestina: construção paralisada há mais de um ano

A construção da ferrovia, que deverá atingir 1.735 km, se arrasta há 10 anos. Neste período, o orçamento saltou para R$ 11,2 bilhões ( Foto: Elizângela Santos )
00:00 · 17.06.2017

Considerada fundamental para desenvolver a logística de cargas na região Nordeste, a ferrovia Transnordestina está com as obras paralisadas desde maio de 2016 e aguarda a retomada dos serviços ainda neste ano.

LEIA MAIS

Falta de recursos federais emperra obras no Estado

Em 7 meses, VLT avançou só 5%; Linha Leste parada

Porto espera dragagem desde 2014; edital deve sair neste ano

Novo atraso adia expansão do Pecém para o fim de 2017

Baixo repasse afeta Cinturão das Águas

Transposição: com embate judicial, STF decidirá retomada

A construção do empreendimento se arrasta há mais de uma década, tendo o orçamento saltado dos R$ 4,5 bilhões iniciais para R$ 11,2 bilhões ao longo desse tempo, um aumento de quase 150%.

 

81 cidades

A ferrovia, quando concluída, deverá ligar o município de Eliseu Martins, no Estado do Piauí, aos portos de Suape, em Pernambuco, e do Pecém, localizado no Ceará. A expectativa é que a Transnordestina tenha 1.753 km de extensão, passando por 81 cidades.

No Ceará, a ferrovia deverá ter 526 Km e passar por 29 cidades, ligando Missão Velha ao Pecém. Até 2013, a obra no Estado era executada pela empresa Odebrecht, mas os serviços foram assumidos posteriormente pela Marquise, após a primeira empreiteira rescindir o contrato com o governo por causa do escândalo da Lava-Jato.

Em janeiro deste ano, o plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou medida cautelar em que determinou a suspensão de verbas de recursos para a Transnordestina, porque a manutenção dos repasses à obra representaria "risco concreto de danos ao erário público".

Verba

A cautelar proibiu repasses ao projeto do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o BNDES Participações (BNDESPar), além de Valec Engenharia, Construções e Ferrovias; Fundo de Investimento do Nordeste (Finor); Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) e Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDN).

Segundo o último balanço divulgado pelo governo federal, a Transnordestina já recebeu cerca de R$ 6,3 bilhões, dos quais cerca de R$ 3,4 bilhões são referentes a financiamentos federais. Pouco mais de 50% da obra foram concluídos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.