industriais do país

Federações cobram projetos no Senado

Presidente da Fiec, Beto Studart, defendeu a renovação de incentivos fiscais e renegociação de dívidas do setor

01:00 · 09.05.2018 por Ana Carolina Curvello - Repórter

Brasília/Sucursal. A Confederação Nacional das Indústrias (CNI) promoveu ontem (9), na sede em Brasília, um encontro dos presidentes das Federações das Indústrias do Norte e Nordeste com a bancada de senadores das duas regiões para cobrar o andamento de projetos que tramitam no Senado, especialmente matérias que tratam de investimentos para o desenvolvimento econômico.

> Beto Studart é eleito vice-presidente da CNI 

Dentre os temas da pauta, os industriais cobraram a aprovação da medida provisória que muda a forma de cálculo dos juros para os empréstimos dos fundos constitucionais do Centro-Oeste, Nordeste e Norte. A nova metodologia leva em conta as desigualdades regionais.

A MP 812/2017, aprovada pela comissão na forma de um projeto de lei de conversão, ainda terá de ser votada pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. Outro ponto é a minuta de MP em construção no âmbito do Ministério da Integração e da Associação Nordeste Forte, sobre os financiamentos com FINAM e FINOR.

O presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Beto Studart, participou da reunião e defendeu a discussão do projeto que trata da renovação dos incentivos fiscais e o projeto de lei que autoriza a liquidação e a renegociação de dívidas de crédito da indústria, do comércio e de serviços em operações com recursos oriundos do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) e do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) e com recursos mistos dos referidos fundos.

"É fundamental que os senadores entendam os problemas das taxas de juros e o PL que trata da renegociação das dívidas, porque acaba com o constrangimento de tantas empresas que seguiram um modelo imposto pelo governo e acabaram não tendo sua capacidade de paridade contempladas. Precisamos dar ânimo aos industriais", disse o presidente da Fiec.

Studart ainda sugeriu a criação de um Programa Nacional de Desenvolvimento com investimentos em medidas modernas em vários setores. "Precisamos encontrar mecanismos para acelerar o desenvolvimento nordestino, fator fundamental que envolve tecnologia e agrega mão de obra", declarou.

Outras demandas

Os presidentes das Federações de Indústrias também sugeriram a apresentação de um projeto de lei que estabeleça condições para renegociação de débitos em operações com os Fundos Constitucionais de Financiamento, bem com os Fundos de Investimentos Regionais. Para o presidente da FIERN e do Nordeste Forte, Amaro Sales, o Nordeste precisa de um tratamento diferenciado das demais regiões do pais. "Nossa região presa ser tratada de forma diferenciada".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.