Fortaleza

Capital passa a concorrer com grandes terminais

01:00 · 28.04.2018
a
Tendência é que Fortaleza comece a ganhar mais market share do fluxo turístico no Brasil ( Foto: Reinaldo Jorge )

Com os novos voos internacionais, o Aeroporto de Fortaleza passa a concorrer com grandes aeroportos brasileiros e até sul-americanos, como Guarulhos (SP) e Cidade do Panamá (Panamá), por passageiros com destino a outros países. São vantagens de Fortaleza a localização geográfica, tornando-se uma alternativa mais direta a depender da origem e do destino do passageiro, e o tempo de conexão. 

O pesquisador Alessandro Oliveira, do Núcleo de Economia do Transporte Aéreo do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (Nectar-ITA) avalia que a tendência é que o terminal cearense comece a ganhar market share do fluxo turístico brasileiro - e que talvez já esteja até ganhando, uma vez que a venda de vários novos destinos internacionais a partir da Capital já começaram a ser vendidos. 

LEIA AINDA:

> Fortaleza embarca em nova escala na aviação civil
> Em 12 anos, fluxo de turistas cresceu 61,9%
> Hubs no Nordeste criam novo cenário do setor no País
> Justiça libera canteiro, e Fraport pode iniciar obras
> Centro de conexões de voos será inaugurado dia 3 de maio
>  Novas concessões animam setor

Ainda que os aeroportos maiores tenham, naturalmente, mais vantagens por possuírem mais conexões diretas, há um mercado muito grande de consumidores sensíveis a preço, que ficam atrás de promoções e não ligam em pegar voos um pouco mais inconvenientes, segundo explica o pesquisador. “Fortaleza está no páreo e concorre forte com as outras alternativas, mas tem que ter preço”, avalia. 

Outra questão é a duração da viagem. “Para a Flórida, por exemplo, pode se estar falando em 8h, 14h, 20h de viagem. Fortaleza tem uma boa capacidade de concorrência, até porque acaba se tornando uma alternativa bem direta, faz uma parada, mas desvia menos. O que vai determinar se é um bom hub é o tempo de espera no aeroporto”, aponta. A proposta da Gol é fazer as conexões mais rápidas do mercado, de cerca de 1h. 

Companhias

Oliveira aponta ainda que a tendência é que a empresa com maior espaço no Aeroporto tenha um papel mais ativo na administração do terminal. “A empresa que possui o hub tende a obter melhores espaços, influência maior sobre a gestão. Isso já é observado nos Estados Unidos, mas isso tende a melhorar a gestão do Aeroporto”, explica. Um indício de que isso já acontece em Fortaleza é que, semanas antes da inauguração do hub, os portões de embarque da Gol no Aeroporto, que ficavam na extremidade leste do terminal, passaram para o lado oeste, mais próximos aos portões de embarque e desembarque internacionais, o que favorece o trânsito dos clientes da companhia em conexão. Já o embarque da Latam passou para o lado leste. (YP)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.