FORTALEZA LIDEROU

34 municípios geraram empregos formais no Estado

Somente na Capital, foram abertos 2.286 postos de trabalho com carteira assinada em novembro deste ano

01:00 · 28.12.2017 / atualizado às 01:57

Com resultados mais animadores para o mercado de trabalho cearense, 53% dos municípios com mais de 30 mil habitantes apresentaram saldo positivo de emprego formal, de acordo com os dados divulgados ontem (27) pelo Ministério do Trabalho. Das 64 cidades, 34 geraram vagas formais.

Fortaleza obteve o melhor resultado, com a criação de 2.286 postos de trabalho formal. Caucaia (423), Sobral (243), Eusébio (225) e São Gonçalo do Amarante (161) aparecem em seguida. "Esse saldo de emprego está muito concentrado na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF)", diz o analista de Mercado de Trabalho do Sistema Nacional de Empregos/Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (Sine/IDT), Mardônio Costa.

> Ceará abre 236 postos de trabalho intermitente

> RMF lidera criação de vagas no País; CE tem melhor resultado desde 2014 

Interior em baixa

De acordo com o analista, o Interior do Ceará, ao contrário da RMF, fechou mais vagas em novembro. "Houve mais fechamento de postos de trabalho, no sentido contrário à área metropolitana, que alavancou o resultado do Ceará", destaca.

Entre os piores resultados para o mês, o município de Granja, na região Norte do Estado, fechou 196 vagas de emprego. Seguem ainda Limoeiro do Norte (-170), Horizonte (-98), Missão Velha (-81) e Aracati (-75). "No Interior houve fechamento de postos de trabalho".

No acumulado do ano, nos municípios pesquisados pelo Ministério do Trabalho, o saldo foi de 1.912 vagas. Das 64 cidades, cerca de 62% apresentaram resultado positivo ou 40 municípios. Entre os maiores destaques estão Sobral (959), Caucaia (788), Horizonte (761) e Morada Nova (739). Já Fortaleza concentrou as maiores perdas, com o fechamento de 3,1 mil vagas de janeiro a novembro deste ano. Brejo Santo (-1.114) e Juazeiro do Norte (-940) vêm logo em seguida aos resultados da Capital cearense.

Cenário nacional

Apesar de o Brasil ter fechado 12.292 vagas de emprego formal em novembro deste ano, primeiro mês de vigência da Reforma Trabalhista, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, em sua conta no Twitter, que o saldo de empregos em 2017 segue positivo, "apesar de pequena variação negativa em novembro".

"A melhora em comparação a 2015 e 2016 é substancial e o avanço é cada vez mais rápido", disse o ministro.

Projeção

A expectativa do Ministério do Trabalho é encerrar o ano com estabilidade na geração de empregos. Para 2018, é aguardada a criação de 1,78 milhão de novos postos formais, número que pode crescer com as novas modalidades de contrato aprovadas na reforma, segundo a Pasta.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.