TCU aprova contas de Temer, mas alerta para risco de manter máquina pública operando

Para os auditores, caso mantido o ritmo de crescimento das despesas obrigatórias, não haverá em seis anos recursos para fazer gastos discricionários, ou seja, de livre escolha do gestor, a exemplo dos investimentos em obras públicas