Egídio Serpa: Por que o Ceará é diferente