Promoção turística

Governo quer captar mais cruzeiros para Fortaleza

Apresentada como mais uma vantagem da Capital, a dragagem no Porto do Mucuripe deve alavancar número de navios

22:14 · 29.08.2018 por Redação Diário do Nordeste

Participando do II Fórum Cruise Line International Association (Clia), realizado nesta quarta (29), em Brasília, Governo do Estado e Prefeitura de Fortaleza buscam firmar a Capital cearense como portão de entrada para cruzeiros após a conclusão da dragagem do Terminal Marítimo do Mucuripe. As obras de ampliação do calado do berço de múltiplo uso do Porto de Fortaleza devem ficar prontas ainda neste semestre e a divulgação visa o fortalecimento do fluxo para a temporada 2019/2020.

O potencial do Porto do Mucuripe para o recebimento de cruzeiros foi divulgado hoje pela Secretaria do Turismo do Estado (Setur) e pela Secretaria Municipal do Turismo de Fortaleza (Setfor) durante o evento. De acordo com o titular da pasta municipal, Régis Medeiros, a informação coloca Fortaleza ainda mais no radar de grandes operadores turísticos.

"Nós também reforçamos que agora temos uma malha aérea com o hub. Nós estamos aqui plantando a semente para a temporada de cruzeiros 2019/2020. A nossa ideia é que Fortaleza seja portão de entrada para esses cruzeiros", detalha Regis Medeiros.

Ele explica ainda que, apesar de a Capital cearense ter uma agenda consolidada de cruzeiros todos os anos, o eixo Rio-São Paulo ainda é o principal receptor desse tipo de embarcação. "Um cruzeiro só vem até Fortaleza se ele estiver baseado aqui na Capital ou se for um roteiro aqui pelo Nordeste. Um navio não consegue ir até Fortaleza e voltar para São Paulo ou Rio de Janeiro em uma semana", diz.

Obras

De acordo com a Companhia Docas do Ceará, 13 navios cruzeiros atracaram em Fortaleza na temporada 2017/2018, transportando cerca de 16 mil pessoas, entre passageiros e tripulantes. A obra de dragagem tem como objetivo aumentar de 3 para 13 metros o calado operacional (fundura máxima que os navios podem atingir quando totalmente carregados) do Porto do Mucuripe para que fique definitivamente apto a receber grandes embarcações, entre cruzeiros e navios de carga.

Atualmente, sem a dragagem, os grandes navios atracam a 250 metros do terminal e os turistas são transferidos para ônibus que complementam a logística. Embora a distância seja curta, a caminhada de pessoas no Cais do Porto é proibida por questão de segurança da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Desenvolvimento do setor

De acordo com a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil), a oferta de leitos apresentou crescimento de 13% para a temporada deste ano ante a temporada anterior, chegando a 496 mil leitos. O impacto do setor na economia na última temporada foi de mais de R$ 1,6 bilhão, ainda segundo os dados da associação.

O evento realizado ontem reuniu representantes dos setores público e privado para um debate sobre a atração de mais navios para a costa brasileira e a solução de questões como infraestrutura, custos, impostos, regulação e novos destinos para tornar mais atrativa a operação de navios no Brasil.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.