Fortaleza

Hub aéreo ajudará a reduzir custos

01:00 · 14.07.2018
Image-0-Artigo-2426567-1
Centro de conexões de voos também possibilitará ao Estado a expansão em novos mercados ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )

Com o início da operação do hub da Air France-KLM e Gol no Aeroporto de Fortaleza e consequente incremento de voos, o envio de cargas pelos céus a partir do Ceará deve se tornar mais frequente, dada a maior competitividade travada entre as aéreas na precificação dos fretes.

Fundada há 13 anos no Estado, focada inicialmente no mercado brasileiro, a Liebe Lingerie hoje distribui seus produtos para todos os estados e para países da América Latina, mesclando os modais aéreo e rodoviário. Após estudo, a empresa detectou que sairia mais barato trabalhar com mais de uma transportadora no mercado doméstico, a depender de cada região. "Fizemos um estudo das transportadoras de Fortaleza, vendo quais atendiam melhor nas diferentes regiões do País, e trabalhamos com elas. Conseguimos grandes descontos e grandes parcerias", afirma o diretor-presidente da Liebe, Cairo Benevides.

"Você não pode deixar o preço do frete custar mais do que 2% ou 3% do preço da peça. Se deixar, pode ter dificuldade com a comercialização dela no final", acrescenta. O envio de cargas por via aérea ainda custa caro para o empresário cearense e, normalmente, é recorrida em casos pontuais, no abastecimento de capitais.

Leia ainda:

> Moda íntima do Ceará aposta em inovação e se destaca no mercado
> Ousadia e tecnologia são receitas para crescer 
> Setor se destaca na geração de emprego e renda no CE
> Lingerie: compras no NE superam a média brasileira 
 
Barateamento do frete

Porém, com o início da operação do hub, em Fortaleza, a tendência é que lingeries e outros produtos cearenses possam ser transportados em porões de aeronaves a preços cada vez mais competitivos, analisa a gerente do Centro Internacional de Negócios da Fiec, Karina Frota.

O que viabilizará, inclusive, maior penetração da moda íntima fabricada no Estado em outros mercados ainda pouco explorados, como o europeu. Angola, emenda Frota, é uma "nova porta de entrada" que se abre para esse produtos. "A Angola tem uma classe média em ascensão, que não tem uma indústria estruturada, e é um mercado que vem estudando o segmento (de moda íntima) no Estado".

"A lingerie tem um valor por metro quadrado muito pequeno e é bem fácil acondicioná-la em caixas. Então, com frete aéreo (em queda), com certeza o setor de lingerie será muito beneficiado", corrobora Benevides. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.