caminhoneiros

Associação questiona tabela de frete rodoviário no STF

01:00 · 12.06.2018
Image-0-Artigo-2412646-1
Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu o questionamento feito pela ATR Brasil sobre a tabela de frete

Brasília. O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu questionamento sobre o tabelamento de preços de frete rodoviário estabelecido pelo governo federal depois da crise deflagrada pela greve dos caminhoneiros no fim do mês passado. A paralisação durou cerca de 10 dias e resultou em uma crise de desabastecimento generalizado.

Leia ainda:

> Pelo menos 30 ações judiciais questionam tabela de frete 
> Falta etanol em alguns postos de Fortaleza
> Guardia debate medida com Fiesp

Apresentada na última quinta-feira (7) pela Associação do Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil (ATR Brasil), a ação pede pela suspensão da Medida Provisória 832/2018 e da resolução 5.820/2018 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), editadas no fim de maio como uma das exigências dos caminhoneiros para encerrar a paralisação. O processo está sob relatoria do ministro Luiz Fux.

De acordo com a associação, a tabela de "preços mínimos vinculantes" na prática "derruba" a atividade econômica exercida pelas empresas de transporte que atuam no segmento de granéis, "posto que são estas que oportunizam o recrutamento dos serviços dos motoristas autônomos em larga escala, seguindo a lógica das safras".

Além de focar na situação específica das empresas que utilizam "intensamente" os serviços de motoristas autônomos, a Associação do Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil afirma também que o tabelamento de preços dos fretes "fere a economia como um todo". "Em suma, os preços do transporte foram fixados e deixam de oscilar segundo as leis de mercado, garantindo um privilégio sobretudo aos motoristas autônomos, que vai impactar o segmento de transporte rodoviário de cargas de granéis que utiliza intensivamente os serviços de motoristas autônomos", afirma a petição.

Derrubada

A Medida Provisória e a resolução chegaram a ser suspensas por uma decisão judicial do Rio Grande do Norte na semana passada, mas a liminar foi derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) na última sexta-feira (8).

Ao atender ao recurso da Advocacia-Geral da União (AGU), o vice-presidente do TRF-5, desembargador federal Cid Marconi Gurgel de Souza, afirmou que a suspensão da MP e da resolução interfere nas premissas de um acordo firmado pelo Poder Executivo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.