Artigo

A necessária refundação da mídia digital

Essa refundação começa com a mudança de atitude dos anunciantes e agências, além das empresas dessa área, e passa pela adoção dos padrões éticos das demais mídias

01:00 · 16.04.2018 por Rafael Sampaio

Na coluna anterior abordei a questão de que o modelo publicitário adotado é o pecado original da mídia digital e que esta precisa ser refundada para ter um futuro sustentável.

O primeiro passo cabe aos anunciantes e agências, que precisam cair na realidade de que esse meio não está valendo o dinheiro para ele destinado. Inclusive porque a maior parte se perde em comissões de todos os tipos, em grande ineficiência e uma quantidade imensa de fraudes. Na real, pelo baixo valor resultante em "working media", o que de fato chega aos consumidores, o digital deve ser hoje a mais cara de todas as mídias - isso pensando em termos internacionais, onde o digital já abocanha perto de 35% das verbas; no Brasil, onde fica em torno de 10%, o prejuízo é bem menor, felizmente.

Se os anunciantes e agências não mudarem de atitude diante do digital e não passarem a exigir desta mídia tudo o que exigem das demais, pouca será a mudança efetiva.

O segundo passo cabe aos próprios líderes do digital, que precisam assumir que são organizações de mídia e passarem a seguir todas as regras e práticas que as demais seguem.

Entrando em aspectos específicos, é fundamental definir padrões gerais e aceitáveis de visibilidade para displays e vídeos. Padrões construídos de comum acordo pelas três partes, ou seja, clientes, agências e a mídia digital. O que vale para tudo o que se segue, aliás.

Também é fundamental haver redução do volume de mensagens publicitárias, especialmente nas páginas mais populares da internet, onde o exagero é evidente e o resultado final é a desvalorização do potencial de cada uma delas.

Respeito ao consumidor é outro ponto de mudança essencial. Tanto no aspecto da privacidade como da inteligência. Ou seja, nada de coletar dados de forma sub-reptícia ou através de truques variados, agindo de modo desonesto com as pessoas usuárias. E muito cuidado com publicidade de gosto duvidoso, exageros, truques irritantes e anúncios fantasiados de conteúdo.

As pesquisas sobre o meio precisam ser robustas e adotar os mesmos parâmetros já definidos para as demais mídias, para não induzir anunciantes e agências a erros de planejamento, negociação e execução.

Toda e qualquer mensuração pós-veiculação deve ser passível de controle independente e precisa adotar, por default, padrões gerais pré-definidos pelas partes interessadas. Não pode ser desenvolvido e controlado pela mídia nem desenhado para cada caso particular.

O passo seguinte é a estruturação de padrões de mensuração multimídia, de modo que o digital possa ser efetiva e operacionalmente comparado com os demais meios. É preciso empregar a mesma moeda para monetizar todas as mídias.

Reduzir o excesso de intermediários, consolidadores e prestadores de uma ampla variedade de serviços pouco úteis é outro passo importante, de modo a simplificar o processo e eliminar valores que oneram o custo real da mídia digital.

Finalmente, mas não menos importante, é fundamental que não haja nenhuma condescendência com as fraudes, qualquer tipo dela, inclusive as embarcadas em processos pouco transparentes e regras impostas pelos grandes operadores do digital.

Para tudo isso será preciso combinar regulação com autorregulação. A regulação já começou na Europa, com o GDRP, e deve acontecer nos EUA, na esteira do último escândalo do Facebook. E haverá em muitos países. No Brasil, além do Marco Civil da Internet, será preciso avançar em aspectos ligados ao campo da publicidade.

Mas será fundamental, igualmente, a autorregulação geral e específica do digital. Seja para definir padrões globais, seja para as necessárias adaptações nacionais.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.