Após ser assassinada, brasileira tem diploma de médica emitido na Nicarágua

Raynéia Lima estava perto de terminar o curso e já fazia residência; ela saía do trabalho, onde era plantonista, quando foi vítima dos disparos