Polo de saúde

Fiocruz abre unidade no CE dia 26; 300 empregos

Construção teve um aporte de R$ 170 milhões. A Fundação será âncora do Polo de Saúde do Estado

01:00 · 20.06.2018 por Bruno Cabral - Repórter
Image-0-Artigo-2415981-1
Empreendimento fica no Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (Pits), no Eusébio, na Região Metropolitana de Fortaleza ( FOTO: KID JÚNIOR )

A unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Ceará, localizada no Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (Pits), no Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), será inaugurada na próxima terça-feira (26) às 9 horas, conforme anunciou o governador Camilo Santana ontem (19), durante transmissão ao vivo no Facebook. O empreendimento contou com um investimento de R$ 170 milhões.

"A Fiocruz vai ser a âncora do nosso polo de saúde, com laboratórios, áreas de formação, de capacitação. Então é uma grande notícia para o Ceará", disse o governador. "A Fiocruz é uma das mais conceituadas instituições de pesquisa, formação, tecnologia e inovação na área da saúde". A expectativa é que, quando a fábrica entrar em funcionamento, sejam gerados 300 empregos diretos, além de outros 1.000 indiretos.

O prédio que abrigará a Instituição ficou pronto no ano passado. Conforme o Decreto nº 30.012, de 30 de dezembro de 2009, as indústrias selecionadas para o Polo serão beneficiadas com incentivos diferenciados de até 99% do ICMS gerado em função da produção, na forma prevista na legislação do FDI, com retorno de até 1% e prazo de fruição de até 10 (dez) anos. O Polo compreende área de aproximadamente 73 hectares.

Fases

A princípio, a unidade receberá as áreas da administração e de pesquisas. E, num segundo momento, receberá o processo industrial propriamente dito, com a produção, por exemplo, de vacinas. Ao lado do prédio da Fiocruz, ficará o Centro Tecnológico de Plataformas Vegetais (Bio-manguinhos), a primeira fábrica de vacinas da Fiocruz fora do Rio de Janeiro.

Produção

No Polo, está prevista a produção de antígenos vacinais em plantas como a vacina para febre amarela, que está em desenvolvimento, e o medicamento alfataliglicerase para a doença de Gaucher. Segundo a Fiocruz, o Polo cearense vai ajudar a fortalecer a indústria nacional, gerar empregos e formar novos profissionais. A produção local ainda servirá para baratear os custos da saúde pública, ao ampliar o rol de produtos nacionais de ponta.

A produção da unidade do Ceará deverá diminuir a dependência nacional a produtos estrangeiros, ampliando o fornecimento de medicamentos gratuitos pelo SUS. Além da Fiocruz, outras âncoras devem ocupar o parque, que vai também servir como incubadora de empresas, ao abrigar projetos inovadores da área de saúde na região.

Além da Fiocruz, o empreendimento prevê outras duas empresas âncoras: Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia) e Isofarma. A unidade da Fiocruz no Ceará definiu como grandes objetivos fortalecer e qualificar a atenção Básica à Saúde e estimular o desenvolvimento do polo industrial, abrangendo as áreas de medicamentos e de equipamentos.

Os investimentos do Governo do Estado também incluem a construção e o acesso ao polo, como a duplicação da CE-010, a infraestrutura de esgoto, além da doação do terreno. Em março, a Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Fiocruz celebraram uma parceria que permitirá a realização de pesquisa na área de imunologia com lhamas no Estado, por meio da Faculdade Veterinária (Favet).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.