VIAGENS

Aéreas iniciam cobrança por despacho de malas

Algumas empresas anunciaram tarifas diferenciadas para quem viajar apenas com a bagagem de mão

00:00 · 19.05.2017
Dados
Clique para ampliar

Desde ontem (18), estão em vigor em todo o País as novas regras de cobrança de despacho de bagagem por empresas aéreas. Diante das mudanças, é importante o consumidor estar atento, para não ter uma surpresa desagradável ao tentar embarcar.

Até o começo do mês de julho, a Latam iniciará a cobrança por despacho de bagagem em seus voos nacionais e internacionais, seguindo as novas regras de franquia permitida por passageiro e o pagamento pelo excesso de material transportado. A partir de ontem, o cálculo do valor é feito pela faixa de peso. As mudanças foram anunciadas pela empresa em 6 de março e aguardavam a liberação judicial das novas normas de bagagem da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) para entrar em vigor.

No caso da cobrança pelo despacho do primeiro volume em voos domésticos, o valor foi revisado pela companhia e, quando implantado, será de R$ 30,00 para compras antecipadas. Para a empresa, a mudança irá beneficiar e atrair mais clientes.

"A partir desta mudança, o cliente que viajar sem despachar a mala em voos dentro do Brasil vai pagar tarifas mais acessíveis. A Latam e suas filiais projetam reduzir em até 20% as tarifas mais baratas disponíveis para seus voos domésticos até 2020. Nossa meta é aumentar em 50% nossos passageiros", afirmou o presidente da Latam Airlines Brasil, Jerome Cadier.

A aérea informou, ainda, que as modificações serão feitas de forma gradual para que o cliente possa se adaptar.

A Latam enfatizou ainda que irá oferecer novos perfis de tarifas para os passageiros. Serão quatro modelos, com faixas de preço variando de acordo com os pacotes de benefícios que oferecem, como o programa de fidelidade, reserva antecipada de assento, remarcação ou reembolso do bilhete. Além disso, caso o cliente escolha um perfil de tarifa que não possua bagagem, ele poderá comprá-la separadamente a qualquer momento.

"As mudanças são parte da nova forma de viajar que o Grupo Latam vem adotando desde o início do ano para voos domésticos nos países onde opera. Neste modelo, o cliente terá mais opções ao escolher sua passagem, pagando apenas pelo que de fato necessita e alguns serviços que sempre foram cobrados de todos os passageiros, passarão a ser opcionais. Exemplos desses serviços são o despacho de bagagem, a seleção de assento e a alimentação a bordo", relatou a empresa, em nota.

No prazo

Já a Avianca, informou que implementará todas regras mandatórias previstas nas Condições Gerais de Transporte Aéreo, mas não fixou prazo.

"A companhia decidiu não cobrar por despacho de bagagens no início da vigência da nova resolução, em 14 de março, pois prefere estudar essa questão mais profundamente durante os próximos meses, a fim de criar produtos tarifários customizados para melhor atender às necessidades dos diferentes perfis de clientes", informou.

A empresa ressaltou "que as medidas beneficiam os passageiros, pois aproximam as práticas do setor aos padrões internacionais e estimularão o acesso de cada vez mais pessoas ao transporte aéreo".

Tarifa reduzida

A Azul informou que, a partir de 1º de junho, passará a ofertar descontos de até 30% para os passageiros que partirem do Aeroporto de Viracopos (Campinas, interior de São Paulo) para 14 destinos nacionais e não despacharem bagagem.

A nova opção será chamada de tarifa "Azul" e será inserida gradativamente a partir dessa data para atender a toda a malha de voos da empresa. "O lançamento desta nova opção de tarifa é um importante marco na aviação brasileira, permitindo que nossos clientes tenha acesso a tarifas mais baixas e, ao mesmo tempo, aproveitem a maior e mais abrangente malha aérea do país", disse o presidente da Azul, Antonoaldo Neves.

Ao optar pela categoria Azul, o passageiro pagará mais barato pela passagem na comparação com a tarifa MaisAzul e poderá escolher pela compra ou não do serviço de bagagem despachada. Nessa modalidade, se mudar de ideia, o passageiro poderá incluir os 23 kg de bagagem, a qualquer momento, ao custo de R$ 30,00. Caso o cliente ultrapasse essa cota de 23 kg, será mantida a atual cobrança por quilo.

Variação de preços

A Gol, por sua vez, informou que também disponibilizará, a partir do dia 20 de junho, uma tarifa diferenciada para quem não quiser despachar bagagem. Conforme a companhia, as atuais tarifas - Programada e Flexível - continuam a incluir o limite de 23Kg de bagagem e a classe Premium, para voos internacionais, segue com dois volumes de igual peso. Contudo, a nova faixa Light, não oferecerá a bagagem gratuita, com a opção de contratação à parte, nos canais de autoatendimento ou no balcão do check-in.

Para tal aquisição, no site, aplicativo, totem da empresa ou nas agências de viagens, o custo é de R$ 30. No balcão, o valor sobe para R$ 60. Já nos voos internacionais, é cobrado US$ 10 e US$ 20, respectivamente .

Em caso de uma segunda bagagem ser despachada à parte, será cobrado o valor de R$ 50 e R$ 100, na mesma lógica. Da terceira à décima bagagem, o custo adicional será de R$ 60 e R$ 120. Já para voos internacionais, a segunda bagagem sai por US$ 30 e US$ 60. Da terceira à décima, US$ 45 e US$ 90.

Liberação

No último dia 28 de abril, o juiz Alcides Saldanha Lima, da 10ª Vara Federal, no Ceará, liberou a cobrança de despacho de bagagem no País. A Anac havia estabelecido a legalidade do pagamento pelo serviço em 14 de março mas o juiz José Henrique Prescendo, da 22ªVara Federal, em São Paulo, derrubou a medida, em caráter liminar.

Para o magistrado cearense, a cobrança pela bagagem beneficia o consumidor que viaja sem mala. As companhias aéreas vêm, reiteradamente, afirmando que a resolução da Anac reduzirá as tarifas dos passageiros que viajam apenas com a bagagem de mão, além de permitir que sejam feitas promoções e oferecidas tarifas diferenciadas, em moldes que hoje são proibidos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.