Victoria é uma excelente opção para quem deseja curtir o autêntico verão canadense

A pequena e charmosa Victoria, capital da Colúmbia Britânica, distante a 93 quilômetros de Vancouver, surpreende com suas praias, jardins e parques

Legenda: Momento de descontração de Ingrid Oliveira na baía Cadboro, em Victoria, Canadá

Quando fui selecionada em 2016 para realizar um estágio de três meses em Victoria, no Canadá, imaginei que faria visitas frequentes a Vancouver - distante 93km -, pois não encontraria muitos atrativos em uma cidade tão pequena. Com cerca de 380 mil habitantes, situada em uma ilha, é conhecida popularmente como o lugar dos newlywed and nearly dead (recém-casados e quase mortos), por ser a "queridinha" de aposentados e casais que desejam formar uma família.

Legenda: Orla de Victoria com vista para o prédio do Parlamento
Foto: Ingrid Oliveira

Entretanto, a capital também abriga uma diversa população estudantil, graças a duas grandes instituições de ensino: a Camosun College e a University of Victoria, onde trabalhei durante o verão. Hoje, arrisco dizer que é melhor programar uma viagem mais curta a Vancouver e prolongar a estadia na charmosa capital da Colúmbia Britânica.

Logo no primeiro dia, notei que todas as casas e estabelecimentos eram cuidadosamente decorados com flores de inúmeras espécies. Não demorou para que eu descobrisse outro apelido pelo o qual a cidade é conhecida: Garden City (Cidade Jardim). O clima ameno, com verões ensolarados e invernos praticamente sem neve, favorece o cultivo de jardins exuberantes, o que é também um hobby para muitos habitantes do lugar.

Os apreciadores de jardinagem não podem deixar de conhecer o The Butchart Gardens - aproximadamente 22 hectares de jardins que contam com 900 espécies de flores. Esses jardins podem ser visitados em todas as estações do ano, mas durante o verão são realizados espetáculos de fogos de artifício, sempre aos sábados, atraindo até mesmo quem não é tão fã das plantinhas. O valor dos ingressos, para adultos acima de 18 anos, varia de acordo com a época do ano, indo de 18.75 dólares canadenses em janeiro, a CAD$ 33.80 no verão.

Trilhas

A natureza da região é, aliás, um dos pontos altos. Para os sedentários, como eu, recomendo começar as aventuras subindo o Mount Douglas pela Irvine Trail. O acesso ao parque, onde está a trilha que eu segui, pode ser feito por transporte público de Victoria, com percurso de 4.5km. Do topo do monte é possível ter uma perspectiva de 360 graus da cidade e sentir-se completamente em paz consigo mesmo. Além disso, se a caminhada for um desafio, o sentimento de "dever cumprido" é melhor ainda!

Legenda: Nos famosos trilhos de trem do Goldstream Park 2, no Canadá
Foto: Ingrid Oliveira

Depois de me acostumar com as andanças, juntei-me a alguns amigos para percorrer a famosa trilha do Goldstream Park, que leva até a estrada de trem sobre a mata. Como o parque é situado em Langford, a 18km de Victoria, contar com o transporte público é difícil, mas não impossível. O trajeto é mais complicado que o do Mount Douglas, com trechos íngremes e, dependendo do clima, escorregadios.

O trajeto, porém, é muito bonito e andar sobre os trilhos do trem faz você se sentir no filme "Conta Comigo", de 1986. Há também uma pequena cachoeira no caminho, onde enchemos nossas garrafinhas na volta - até hoje não sabemos se a água era de fato potável. No caminho para o parque, uma parada para visitar o Hatley Castle é essencial: o lugar serviu de cenário no cinema para a Escola para Jovens Superdotados do Professor Xavier, dos filmes da saga X-Men e para a X-Mansion em Deadpool.

Litoral

Para aqueles que gostam de passar mais tempo relaxando, o Thetis Lake é uma opção para piqueniques à beira do lago (onde é possível tomar banho no verão) e fazer caminhadas. Victoria conta ainda com praias agradáveis como a Willows Beach e Cadboro Bay, sendo esta última próxima à universidade e a um restaurante tailandês com refeições a preços acessíveis, o Thai Lemongrass.

Legenda: O monumental Hatley Castle que serviu de cenário para os filmes da saga X-Men e do X-Mansion em Deadpool
Foto: Ingrid Oliveira

Uma rota bacana para ser feita durante o dia é visitar o Beacon Hill Park - um parque com caminhos pelo bosque, playground e até a pequena fazendinha onde é possível interagir com os animais - e depois seguir caminhando ou pedalando pela Dallas Road até chegar a Ogden Point, uma estação portuária. Lá, pode-se caminhar pelo píer até um farol e depois tomar café no Breakwater Bistro, com direito a vista para o mar.

Outra parada obrigatória é visitar o Fisherman's Wharf (Cais do Pescador), uma região entre o Ogden Point e o centro de Victoria, repleta de estabelecimentos flutuantes e focas - sim, você pode ver os bichinhos de perto. Elas costumam ser alimentadas por turistas e visitantes que compram os famosos fish and chips (peixes empanados com batata frita).

Aliás, Victoria é o lugar perfeito para realizar passeios de observação às orcas em alto mar. Existem pacotes exclusivos para isso, mas se você tiver sorte como eu tive, é possível vê-las no trajeto de balsa entre a capital e Vancouver.

Legenda: A presença das orcas no retorno da viagem de Vancouver
Foto: Ingrid Oliveira

Entretanto, meu lugar preferido em Victoria é Downtown, o centro da cidade, próximo à orla. Lá fica o prédio do Parlamento da Colúmbia Britânica, um dos cartões-postais, e onde encontramos artistas se apresentando gratuitamente nas ruas. Ao caminhar pelo centro, você estará cercado pelo mar, prédios elegantes como o Hotel Grand Pacific, restaurantes e lanchonetes como o Dog Gone It, onde é possível comer cachorros-quentes gourmets por CAD$ 5.

O local está repleto de pubs com música ao vivo e programações como bingo musical, trivias e karaokês. Dentre os mais famosos estão o Bard & Banker e o Irish Times Pub, porém devido ao preço, ambos costumam ter um público maduro. Para os jovens, os mais badalados são o Yates Street Taphouse e o Canoe Brewpub, uma cervejaria com vista para o mar que abriga festas durante a noite.

O Felicita's Pub, embora distante de Downtown, também é uma boa pedida para quem quer se divertir a noite gastando pouco, pois é localizado na própria Universidade de Victoria e, portanto, possui preços mais camaradas para estudantes. Durante meus três meses em Victoria, visitei Vancouver apenas duas vezes, e ainda sinto que não vi tudo o que a pequena ilha tem a oferecer.

 

SERVIÇO:

Como chegar

O meio mais fácil para chegar a Victoria é de avião. Companhias como Air Canada, Delta, WestJet, Pacific Coastal e Allaska Airlines operam no pequeno aeroporto da cidade. O meu trajeto começou por Fortaleza, Guarulhos, Toronto, Vancouver e, finalmente, Victoria. Ao desembarcar em Vancouver temos a opção de embarcar em um avião da Harbour Air Seaplanes, que custará em média de CAD$ 200 (trecho, que dura 30 minutos) - a vantagem é desembarcar em um local mais central em Victoria. Para quem busca economizar, é simples pegar um ferry de Vancouver para Victoria pagando apenas CAD$17.20 o trecho, com duração de 3 horas e meia. Porém, não é indicada para quem está com muita bagagem, pois as filas são longas e, às vezes, demoradas. Também é possível pegar um ferry partindo de Seattle, nos Estados Unidos, por $99 (dólares americanos) o trecho de 2 horas e 45 minutos - compras de ida e volta saem por volta de $130.

Transporte

Como Victória é uma cidade pequena, se locomover de ônibus ou de bicicleta pelos pontos turísticos principais é fácil. É possível adquirir um passe diário ilimitado de ônibus por CAD$ 5 ou um mensal por CAD$ 85. A cidade é extremamente limpa e segura, contando ainda com esquemas de horários fixos nas paradas de ônibus. Alugar bicicleta também é uma possibilidade, mas os preços variam de acordo com a finalidade do uso e o tempo de aluguel.

Alimentação

O poutine, prato originário do Canadá deve ser experimentado. Trata-se de uma porção de batatas fritas e cubinhos de queijo cobertos por delicioso molho de carne (CAD$ 8 a CAD$ 13). Entretanto, Victoria tem preços elevados, mas nas promoções é possível comer bem gastando pouco. O Bin 4, por exemplo, oferece um hambúrguer com porção grande de acompanhamento por (CAD$17), sendo a metade do preço para quem chega após às 21h. Gorjetas não são cobradas, mas são vistas como um gesto de educação, logo é importante sempre fazer os cálculos levando em consideração os famosos 10%. Além disso, se for consumir bebida alcoólica é necessário apresentar dois documentos de identificação. Água é servida de graça em todos os lugares.

 

 

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?