Mostra de Cinema de Iguatu realiza 8° edição em formato virtual com homenagem a atriz Samya de Lavor

Evento realiza mostra competitiva dividida em duas categorias, com filmes cearenses e nordestinos

Esta é uma imagem do curta
Legenda: Curta "O que pode uma mulher que borda?" está participando da mostra competitiva da Mostra de Cinema de Iguatu
Foto: Reprodução

Em sua 8ª edição, a Mostra de Cinema de Iguatu precisou ultrapassar os limites do sertão cearense, para levar a sétima arte ao mundo digital. Pela primeira vez em formato inteiramente virtual, o evento, que é tradicional do município de Iguatu, realiza exibições de produções cearenses e nordestinas entre 3 a 8 de março, de forma online e gratuita no site da mostra. 

Apesar do novo formato, a ideia é tentar reproduzir da maneira mais próxima possível a estrutura original da mostra, explica César Teixeira, um dos idealizadores do evento. Para isso, a programação da edição segue semelhante às anteriores, com a exibição de mostras competitivas de curtas nordestinos

Nesta edição, a mostra competitiva é dividida em duas categorias: Curta Cearense e Curta Nordeste, totalizando 20 filmes que ficarão disponíveis no site do evento por 48 horas. Além desse gênero, o público também poderá conferir uma mostra social, que traz uma programação direcionada ao público infantil, com animações produzidas por cineastas cearenses, e aos idosos, com a exibição da série “Sertão delas”, também desenvolvida no interior do Estado. 

“O desafio maior é manter o interesse do público, mesmo depois de um ano vendo tanta coisa virtual. A gente tem hoje em dia os streamings, as pessoas conseguem alugar filmes em sua casa. Apesar da gratuidade da mostra, hoje em dia você tem muito acesso ao conteúdo audiovisual de várias outras maneiras que não através de uma mostra de cinema”, relata o realizador.

Já para Kamille Costa, também idealizadora da Mostra de Cinema de Iguatu, o principal desafio do formato digital é desapegar da experiência coletiva de estar em um cinema físico, vivência que, segundo ela, é importante não só para o público, mas também para os produtores audiovisuais e para os realizadores da mostra. 

“Essa janela foi fechada devido à pandemia, então muitos diretores e realizadores ficaram impossibilitados também de exibirem seus filmes. O desafio de desapegar um pouco dessa experiência profissional e abrir esses novos caminhos digitais foram potencializados com as limitações que a gente tem passado na pandemia”, afirma Kamille. 

Apesar da distância física, os realizadores destacam que a modalidade virtual também é uma possibilidade de aproximar os espectadores. Segundo eles, o formato permite que pessoas de qualquer localidade tenham acesso às produções locais e regionais. Já que na 8° edição, além dos curtas cearenses, o público também poderá contemplar filmes produzidos em todos os Estados da região Nordeste. 

“O cinema cearense contemporâneo vem produzindo muito, vem se destacando lá fora, e muitas vezes o filme sai, ganha prêmios até internacionais e não são tão conhecidos do público interno. A gente procura divulgar especialmente esse nosso cinema para que as pessoas em geral tomem conhecimento de quem são os novos talentos, quem está produzindo hoje em dia, quais são os realizadores, o elenco que está participando”, diz Kamille. 

Atividades

Além das mostras competitivas, a mostra realiza a exibição de longas-metragens, como “Pajeú” e “Inferninho”, sendo este último com a participação da atriz cearense Samya de Lavor. Ela será homenageada na abertura da mostra com o troféu “Água boa”, devido a sua trajetória no cinema local e regional. 

“Nossa premissa ao selecionar e pensar em um nome para homenagear sempre parte da relação da pessoa com o Estado, com alguma obra que tenha a ver com o nosso Estado. A gente sempre pensa muito nisso. O trabalho da Samya é todo feito aqui no Ceará e no Nordeste. É uma atriz incrível, super talentosa e que deve ser cada vez mais conhecida pelo público”, conta César. 

Ainda seguindo a tradição das edições anteriores, a Mostra de Cinema de Iguatu realiza duas oficinas formativas. Na quinta (4) e na sexta (5), o público confere o workshop “Concepção de figurinos e personagens”, com Cris Garrido. Já na sexta (5) e sábado (6), a pesquisadora e realizadora audiovisual Sara Benvenuto ministra o workshop “Realização Fílmica”.

“Eu e Kamille, que somos os idealizadores da mostra, somos de Iguatu e viemos embora para Fortaleza. Sempre penso que na época que eu morava lá, eu queria muito que fizessem uma mostra de cinema com essa parte de exibição e formação. (...) É algo pessoal e que a gente acredita muito profissionalmente no poder que a mostra tem. Fazer com que o público interaja com esses filmes", completa César.

Serviço

Mostra de Cinema de Iguatu

De 3 a 7 de março no site do evento. Gratuito. Mais informações no Instagram. 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?