Mesa Posta ganha espaço em lares cearenses como forma de criar memórias afetivas na quarentena

O hábito torna as refeições em casa mais prazerosa. Aparelhos de jantar simples aliados à criatividade são suficientes para fazer bonito.

Imagem: Divulgação
Legenda: Sarah Lira utiliza o empratamento para impulsionar receitas e dicas gastronômicas em suas redes sociais
Foto: Divulgação

O ato de dispor os pratos, talheres e taças na mesa foi introduzido gradualmente ao longo de séculos de história. Mas somente a partir do século XV, durante a Renascença, as regras de etiqueta foram incorporadas pela nobreza para diferenciar as classes sociais. Hoje, apresentar uma mesa bem posta tem sido mais frequente nos lares de muitas famílias, que aproveitaram o distanciamento social para montar banquetes em casa

Imagem: Divulgação
Legenda: Zilda Dias aposta na combinação de vários pratos coloridos para montar uma mesa criativa
Foto: Divulgação

Além de tornar a refeição mais prazerosa, esse hábito cria memórias afetivas naqueles que partilham o hábito de comer com amigos, familiares e colegas de trabalho, relata Zilda Dias, adepta da prática desde o início de 2018. Desde então, a servidora pública compartilha dicas de decoração e conteúdo de mesas postas no Instagram, com o perfil @ap601ce.

“A gente lembra do jantar do dia dos namorados, do Natal com a família, e eu acho que a mesa posta em si nos faz lembrar automaticamente daquele momento em família, daquele momento romântico, daquele dia que a gente comeu sushi e estava tocando tal música”, exemplifica.

Para adotar a prática no cotidiano, não é necessário possuir louças e talheres chiques e variados, explica Zilda. Segundo ela, aparelhos de jantar simples aliados à criatividade são suficientes para fazer bonito. 

Mas para aqueles que desejam investir no hábito, Zilda aconselha a aquisição de jogos americanos coloridos, de modo que eles possam ser combinados entre si: “Vá comprando devagar e usando. Na hora de montar a mesa, a faca fica com os dentes virados para dentro do prato e do lado direito, depois vem a colher, caso vá usá-la. Garfo do lado esquerdo, e toda mesa precisa ter uma taça para água, que sempre fica do lado direito, em cima da faca”, indica.

Mais tempo
Com o período de distanciamento social, Zilda afirma que encontrou mais disponibilidade de tempo para montar as mesas e, consequentemente, alimentar as redes sociais, passando de uma publicação a cada 15 dias para três postagens, em média, por semana. O resultado foi um crescimento do engajamento de seu perfil no Instagram, que saltou de 2 mil para mais de 8 mil seguidores.

Zilda também atribui o crescimento da procura por esse tipo de conteúdo aos cuidados que as pessoas passaram a ter com a própria casa durante a quarentena. Ela acredita que a experiência fez com que todos começassem a sentir falta de realizar refeições em restaurantes, e a mesa posta se tornou a solução para tornar as refeições em casa mais prazerosas. 

Imagem: Divulgação
Legenda: A mesa posta está presente em pelo menos uma refeição na casa de Débora Arruda
Foto: Divulgação

Despertar 


Débora Arruda também adotou a prática durante o período de distanciamento social, quando sentiu a necessidade de reproduzir a ambientação dos restaurantes em casa. Hoje, depois de meses de adesão, a bancária explica que não sente mais a falta de frequentar esses locais, mesmo já estando liberados ao público. 

“Eu não estou saindo. Não porque eu não queira, simplesmente porque não sinto mais necessidade. Tô adorando ficar na minha casa, tô curtindo mais a minha casa, a minha família em casa. Então, eu acho que a pandemia impactou porque antes dela eu sentia muita necessidade de sair para me divertir e agora eu estou conseguindo me divertir em casa, com mais segurança, mais tranquilidade”, relata.

A bancária conta que o hábito de dispor os talheres, pratos e taças na mesa está presente em pelo menos uma refeição por dia. A aprovação de seus familiares foi tão grande, que o marido de Débora a incentivou a criar um perfil com esse tipo de conteúdo nas redes sociais. O estímulo resultou no @1301apê, que conquistou quase dois mil seguidores no Instagram em pouco mais de um mês.

A tradição de comer ao redor de uma mesa posta também está presente na família da servidora pública Sarah Lira, que decidiu utilizar a prática para impulsionar suas receitas e dicas gastronômicas no perfil @pratolindo, criado durante a quarentena. A estratégia fez com que a rede social alcançasse seis mil seguidores em apenas dois meses.

“A disposição dos alimentos no prato, o chamado empratamento, é essencial para tornar o preparo visualmente atraente. Nesse contexto, a mesa posta é inerente à perfeita apresentação da comida, pois a escolha da louça, seja quanto à sua cor ou ao seu tamanho, faz toda a diferença”, explica. 

O crescimento pela procura de artigos decorativos durante o período de distanciamento social despertou na empresária Mariana Cavalcante a oportunidade de lançar uma loja virtual que pudesse atender a essa demanda com produtos artesanais. 

“Eu avalio que o mercado de artigos de decoração alavancou mais. Ele já existia dentro das lojas, mas acho que com essa pandemia as pessoas viram que podiam fazer a decoração dentro da sua casa, então acho que hoje o mercado está bem mais amplo”, conta Mariana.

Imagem: Divulgação
Legenda: O crescimento pela procura de artigos decorativos durante o período de distanciamento social despertou na empresária Mariana Cavalcante a oportunidade de lançar uma loja virtual que pudesse atender a essa demanda com produtos artesanais
Foto: Divulgação

Para produzir artigos de mesas com originalidade e valorizar a cultural regional, a “Na Mesa com Mari” se especializou na venda de sousplats feitos com crochê, além de outros artigos de mesa, como porta-guardanapos e ‘cobre jarra’, todos feitos à mão. É nesse cuidado com os detalhes que momentos especiais se formam, mesmo que seja só para pôr a mesa. 

Serviço
Contatos Instagram:@ap601ce; @1301apê; @pratolindo@namesacommari
 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?