Live situa legado de Alba Valdez, primeira mulher a ingressar na Academia Cearense de Letras

Conferência virtual acontecerá nesta quinta-feira (14), às 19h, por meio da plataforma Google Meet

Legenda: Alba Valdez, pseudônimo de Maria Rodrigues Peixe, detém trajetória repleta de pioneirismos
Foto: Divulgação

Um dos mais importantes nomes da literatura cearense, Alba Valdez (1874-1962) terá seu legado e influência esmiuçados durante atividade realizada pela Academia Cearense de Letras (ACL). 

A conferência virtual, integrando a ação "Diálogos na Academia", acontecerá nesta quinta-feira, às 19h, por meio da plataforma Google Meet.

A abertura do evento contará com a fala de Angela Gutiérrez, presidente da agremiação, e de Lourdinha Leite Barbosa, diretora cultural da ACL.

À frente da palestra, estará Odalice de Castro Silva, professora do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará.

Legenda: Especula-se que Alba Valdez serviu de inspiração ao pintor Raimundo Cela (1890-1954) para a imagem feminina da Liberdade no painel “Abolição dos Escravos” (1938)
Foto: Divulgação

Herança cultural

Alba Valdez – pseudônimo de Maria Rodrigues Peixe – nasceu em São Francisco de Uruburetama, atual Itapajé, no interior do Ceará. Professora, escritora e engajada na causa feminista, deteve trajetória repleta de pioneirismos.

Em um contexto onde a imprensa era notadamente ocupada por homens, Alba dedicou-se ao jornalismo, fazendo palestras e colaborando em jornais e revistas da época. Lutou também pela emancipação feminina e o direito ao voto, desafiando o preconceito gerador de muitas barreiras aos direitos da mulher. 

Em 1904, fundou a primeira agremiação literária feminina do Brasil, a Liga Feminista Cearense, que lutava pelo desenvolvimento cultural e pelos direitos da mulher na sociedade do Ceará.

Foi ainda membro do Instituto do Ceará e da Academia Cearense de Letras, tornando-se a primeira mulher a ingressar na também pioneira agremiação, em outubro de 1937, quando ocupou a cadeira de número 22.

Entre seus livros, estão "Em Sonho" (1901), coletânea de crônicas, contos e textos em prosa, alguns traduzidos para o sueco e o francês; e "Dias de Luz" (1907), em que narra episódios da infância e da adolescência.

Na cidade natal, foi homenageada ao ter seu nome dado a uma rua no centro de Itapajé. Sob outro espectro, especula-se que ela serviu de inspiração ao pintor Raimundo Cela (1890-1954) para a imagem feminina da Liberdade no célebre painel “Abolição dos Escravos”, de 1938, presente no auditório da ACL.

Serviço
Conferência virtual "Diálogos na Academia - Alba Valdez"
Nesta quinta-feira (14), às 19h, por meio da plataforma Google Meet 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?