Com referências a Ney Matogrosso, curta-metragem cearense reflete sobre a ancestralidade do homem

Gravado em Amontada, “Felino - bicho homem”, de Andree Ximenes, estreia nesta terça-feira (2), no canal do artista no YouTube

Escrito por Roberta Souza, roberta.souza@svm.com.br

Verso
Felino
Legenda: Andree Ximenes lança primeiro curta-metragem autoral: "Felino - bicho homem"
Foto: Ivna Melo

Um ser misterioso e híbrido transita sem medo entre o dito feminino e masculino, yin e yang, dia e noite, água e fogo. É assim que o ator cearense Andree Ximenes, 26 anos, começa  a descrever seu primeiro curta-metragem autoral, “Felino - bicho homem”, com estreia gratuita agendada para esta terça-feira (2), às 20h, em seu Canal do YouTube.

O filme é apresentado como um resgate à ancestralidade do homem, na qual a sua animalidade está em primeiro plano, anterior a qualquer parâmetro de identidade ou de sexualidade. Daí o protagonista ser regido pelas mesmas energias antagônicas e complementares que regem os grandes felinos.

Concebido com recursos próprios, entre novembro de 2020 e janeiro de 2021, o curta nasce de inquietações pessoais do diretor. “Queria entender como o masculino se comportava em mim, o quanto ele era contaminado por esse padrão de comportamento heteronormativo e o quanto disso realmente era meu. Impossível chegar até minha essência porque tem muitas camadas sociais e de ensinamento cultural, até ancestral, que estão sobrepostas a isso. Mas era muito sobre essa questão da masculinidade e da liberdade de ser quem eu sou”, contextualiza Andree.

Gravação Felino
Legenda: Feito com recursos próprios, o curta contou com a colaboração de artistas autônomos como Ivna Melo, Zé Filho, Viny Holanda, Paulo Nepomuceno e Matheus Melo
Foto: Ivna Melo

Assim, o trabalho caminha pela ficção para discutir questões sociais em evidência na atualidade.

“Pensando em antagonismo, em duas forças opostas numa sociedade completamente binária, onde a gente divide tudo entre sim e não, certo ou errado, homem mulher, acabamos não entendendo essa energia masculina e feminina como coisas que coexistem dentro da gente, porque feminino não tem a ver só com ser mulher, assim como o masculino não é uma coisa exclusiva do homem. E essas duas energias desequilibradas afetam a sociedade com muita força”, acredita o diretor.

Lenda de Icaraí influenciou roteiro

Em cena, o personagem  - que pode ser vários, a depender da percepção do espectador - aparece isolado, inserido e pertencente a um lugar, que é a natureza onde ele vive, sem qualquer outro contato humano. A região de Amontada, pela qual Andree nutre uma profunda relação, e que inclusive está nos planos de um trabalho futuro, foi a escolhida para as gravações.

“Pensei no lugar que eu precisaria, nessa mesma região, para ter diferentes cenários, ambientes naturais, locações que me possibilitassem estéticas diversas. Nas praias de Amontada, Icaraí, Ilha das Ostras e Moitas têm essa variação de duna, praia, barra, mangue. Tinham várias vegetações e cenários que me trariam essa versatilidade do lugar, já que eu tinha pouco tempo para gravar”, conta, lembrando que as imagens foram feitas em dois dias, na véspera do natal passado.

Foto: Ivna Melo

Mas a região do litoral oeste cearense foi muito além de um plano de fundo para o curta. Ao visitar as locações, Andree se permitiu ouvir as histórias dos moradores e acabou agregando situações e até uma lenda do local ao seu trabalho. Segundo lhe contaram, existia no Icaraí, antes da chegada da luz elétrica, um bicho de aspecto felino que, uma noite por mês, atacava um dos cachorros da região que lhe perseguiam com latidos.

“Quando eu fui gravar, pensei que isso também poderia ser uma leitura, principalmente para quem é de Icaraí, sabe dessa história, entender que o filme também tem essa possibilidade folclórica, essa abertura de ter um entendimento mítico”, afirma Andree.

Linguagem híbrida conduziu o curta

A princípio, a ideia era fazer um fashion film (filme de moda), que contasse a narrativa por meio da roupa, da expressão, com a estética do felino. Porém, quando essas questões mais profundas o atravessaram, veio a necessidade de construir também uma história não-linear, que fosse além dos movimentos corporais, e que contextualizasse uma existência com sua própria forma de se vestir e de falar. Assim, moda e cinema se entrecruzaram, dialogando com outro elemento: a performance.

“Desenvolvendo o projeto, eu fiquei pensando se existia algum corpo humano em que dentro dele essa liberdade pulsava, de ser quem ele quer ser e de transitar com facilidade entre as energias femininas e masculinas naturais e os elementos masculinos e femininos ditados pela sociedade, seja na vestimenta, no jeito de falar, na maquiagem, seja no mostrar o corpo. E aí pensando tudo isso e nessa figura felina, cheguei até Ney Matogrosso. Além dele ser uma referência e guia artístico, ele também é contemplado e homenageado no curta com uma performance”, relata.

Foto: Paulo Nepomuceno

Os dez anos de trabalho como ator e o entendimento da moda como forma de potencializar sua expressão no mundo auxiliaram Andree nesse processo de hibridização. “Esse primeiro curta autoral dialoga com tudo que eu já tive contato de arte na vida. Desde o meu eu ator, que é o mais antigo de todos, o meu eu músico, cantor e ator de musical, um pouco mais recente, e por último de diretor, o mais novo, pois agora que estão sendo lançados projetos meus nessa função. Eu quero me firmar como ator e como diretor e roteirista, são minhas prioridades artísticas agora”, evidencia.

> Confira os primeiros trabalhos dirigidos por Andree:

Programação

Para a estreia de “Felino - bicho homem”, Andree preparou uma programação especial que vai além da exibição do curta. O momento contará com falas e performances, dele e da bailarina Sol Duarte. Uma roda de conversa digital com Dudu Bertholini, Getúlio Abelha, David Lee, Éfiro e SouumGabriel também está prevista, além da participação da DJ Bea Gondim com um setlist de músicas brasileiras que dialogam com a estética do filme.

Após a transmissão ao vivo, tudo ficará disponível no canal do ator. Desdobramentos do trabalho, incluindo mais detalhes sobre a lenda do Icaraí, também serão explorados no Instagram de Andree nos próximos dias. Há muito para acompanhar.

Serviço

Lançamento do curta-metragem “Felino - bicho homem”, de Andree Ximenes
Nesta terça-feira (2), às 20h no Canal do Youtube do ator
Mais informações: @andreeximenes