Autora infantojuvenil aposta na magia ao lançar Harry Potter à brasileira

Livro aposta em uma heroína feminina que ver seu mundo ruir após ser escolhida para derrotar demônios

Esta é uma imagem de Harry Potter
Legenda: Autora brasileira se inspira em Harry Potter para produzir livro sobre heroína feminina
Foto: Reprodução

Fã declarada de Harry Potter, a escritora Ana Beatriz Brandão, 21 anos, conhecida do público por "O Garoto do Cachecol Vermelho", faz agora sua incursão na literatura de fantasia com um livro que lembra muito a saga de estrondoso sucesso de J.K. Rowling: Harry Potter.

Se no livro da contemporânea britânica o bruxinho se vê em guerra com as forças do mal que querem dominar o planeta, o enredo de "Caçadores de Almas" traz a protagonista lutando contra seres que, como o próprio título diz, querem se apoderar até a última gota do espírito de suas vítimas.

Assim como Harry Potter é o herói escolhido pelo mundo da magia para tentar conter as forças ocultas de Lorde Voldemort, na versão nacional temos uma heroína mulher também muito jovem predestinada a conter demônios, após perder a família para os seres inimigos.

"Fazer sucesso com um livro de fantasia seria uma realização muito grande para mim, já que pretendo continuar como escritora desse gênero no futuro. Quanto aos leitores, fico muito feliz de ver muitos dos que me conheceram com 'O Garoto do Cachecol Vermelho' [lançado em 2016, pela Record] decidindo ler o 'Caçadores de Almas' por terem gostado da minha escrita", conta ela.

"É uma honra ver eles me acompanhando a cada passo e gostando do livro mesmo que seja completamente diferente do outro".
Ana Beatriz Brandão
escritora

Diferentemente da saga do bruxinho, em que a narrativa começa com o herói órfão e mal compreendido morando na casa dos tios, "Caçadores de Almas" traz uma mocinha que todos queriam ser: a primeira da turma, prestes a conseguir uma bolsa na faculdade e com um namorado e uma melhor amiga que a adoram. Seu mundo, porém, não demora a ruir e a exigir dela valores como coragem e lealdade aos novos amigos.

"Quando escrevi a Serena, eu tinha entre 14 e 15 anos. Ela era tudo o que eu queria ser, com relação à personalidade e toda a inteligência que ela tem. Uma garota comum vivendo uma aventura. Mas hoje, entre nós duas, as únicas coisas que provavelmente temos em comum são a paixão pela ciência e os cachos, mesmo que eu quisesse que nos parecêssemos muito mais."

Se engana contudo quem crê que Harry Potter é a principal fonte de inspiração da jovem. Fã de Thalita Rebouças e Pedro Bandeira, Ana Beatriz é também leitora voraz de outros autores internacionais.

"Hoje, posso dizer que uma autora que eu amo de paixão e que eu tenho todos os livros é a Jodi Picoult [best seller do New York Times por 'A Menina que Contava Histórias']. A forma como ela escreve, e os assuntos que ela aborda nos livros dela me fascinam demais, e sempre que pego um deles pra ler, acabo terminando em três ou quatro sentadas, sem nem ver o tempo passar."

Cita ainda Meg Cabot, da série best seller de 11 volumes "O Diário da Princesa", como precursora. "Tive a honra de conversar com ela antes de uma entrevista que faríamos, e ela é simplesmente um amor. Guardo a foto com ela até hoje, e sou muito fã dos livros e dela como pessoa."

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?