Artigo: O valor da adaptação do empreendedor em tempos de crise

Confira análise da professora Renata Torquato, da Universidade de Fortaleza

Para começar, é importante dizer que estamos vivendo um novo tempo e que este novo tempo demanda novas atitudes. Neste novo contexto, as pessoas e as empresas precisam se adaptar à nova realidade. Esta adaptação, por sua vez, vem acompanhada normalmente dos mais diversos desafios, desde a mudança de comportamento dos líderes e gestores, até a possível migração da oferta de produtos e serviços para o ambiente virtual.  

Podemos perceber, no que diz respeito às mudanças comportamentais, que habilidades como flexibilização, empatia, senso de colaboração, equilíbrio emocional, manter uma comunicação eficiente, organização do tempo, realização de feedbacks à equipe, mudança do modelo mental, adoção de parcerias mais criativas, estudo e implementação de novas ferramentas nos negócios, dentre outros, fazem toda a diferença num período como o que estamos vivenciando.  

Outro ponto a ser explorado é que precisamos entender que crises são oportunidades para que possamos fortalecer a cultura organizacional.

Sabe-se que em momentos como este a cultura é posta em teste, e é muito desafiador manter o discurso na prática num ambiente de incertezas como o atual.

Mais importante do que tentar seguir certos padrões é fazer com que o time se engaje de verdade. E para que isso se torne uma realidade nas empresas é necessário que a equipe compartilhe o propósito, a missão e os valores da empresa, para que esta possa executar a sua estratégia e alcance seu objetivo final. Muitas empresas estão precisando repensar seus produtos e serviços e até mesmo seu modelo de negócio.  

Podemos observar confecções produzindo máscaras de tecido e equipamentos de proteção individual para os profissionais da área da saúde, cervejaria engajada na produção de álcool em gel, montadora de automóveis produzindo respiradores, restaurantes adaptando o cardápio de delivery para atender a demanda atual dos clientes, buffets oferecendo opções de comidinhas para “happy hours” em casa, empresas de decoração vendendo kits prontos para pequenas festas de aniversário em casa, lanchonetes servindo drinques na calçada, grandes empresas, como Magalu e Lojas Americanas, aderindo ao marketplace, modelo de negócio que oferece oportunidades a empresas de menor porte, por meio da criação de suas lojas próprias inseridas na plataforma deles.  

Além disso, há projetos como o “Apoie o Pequeno”, que acompanha o momento da colaboração e permite que pequenos lojistas se cadastrem e comercializem seus produtos no ambiente virtual, além de oferecer treinamentos gratuitos a estes lojistas.

Há diversas maneiras de se adaptar num período de pandemia, como por exemplo saber utilizar recursos e habilidades que o empreendedor ou a empresa já possuem, ou por meio da criação de um produto ou serviço que esteja em demanda atualmente, conforme citamos nos exemplos acima, ou até mesmo encontrando uma forma de atender às populações mais carentes.   

Considero que precisamos mais do que nunca dar uma atenção especial a "3 Ps": perseverança, proximidade e presença. Perseverança para nos reinventarmos, seja na forma de pensar, seja na mudança de estratégia que vamos adotar nos negócios (ou mesmo na vida pessoal); proximidade, mesmo no momento em que não podemos estar próximos fisicamente, o que não garante proximidade de verdade; e presença, no sentido de cuidar, apoiar e servir os nossos times. Dentro desse contexto, as empresas devem repensar seus negócios e mais do que nunca adotar formas de inovar durante a crise.  

Podemos citar algumas maneiras que podem ajudar nesse sentido, como fazer parcerias com outras empresas que complementem a nossa, reduzir alguns custos, entender as novas prioridades, se ajustar aos novos hábitos dos consumidores, repensando a experiência destes e procurar uma estratégia que mantenha os cliente fiéis.

Sabemos que é desafiador enxergar oportunidades em períodos nebulosos, mas não devemos nos acomodar e esperar que as ideias e insights caiam do céu.  

Precisamos de repertório, criatividade e muita dedicação para entendermos este momento e para saber que vai passar, mas que ensinamentos e tempos melhores virão, eles sempre vem!   

Renata Torquato

Mestranda em Administração de Empresas; professora da Universidade de Fortaleza das áreas de gestão e empreendedorismo. Atua no Escritório de Gestão, Empreendedorismo e Sustentabilidade elaborando e coordenando projetos ligados ao fomento do empreendedorismo.

Ouça o podcast Vem Empreender:

Quero receber conteúdos exclusivos do Vem Empreender

Assuntos Relacionados