Vereador Gabriel Monteiro, do Rio de Janeiro, afirma ter sofrido atentado em festa de aniversário

Caso foi registrado como tentativa de homicídio. Segundo o parlamentar, o veículo ficou com marcas de tiro

Vereador Gabriel Monteiro, do Rio de Janeiro
Legenda: Vereador é alvo de Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores em seis situações
Foto: reprodução/Instagram

O vereador carioca Gabriel Monteiro (PSD) afirmou ter sofrido um atentado na noite desse domingo (1º) em Quintino, na Zona Norte do Rio de Janeiro. O carro usado pelo parlamentar ficou marcado por balas, mas ninguém ficou ferido. As informações são do portal G1.

Gabriel Monteiro afirmou à Polícia que fazia uma festa de aniversário para uma menina de família carente da região quando foi atacado por bandidos. Em entrevista à TV Globo, o vereador relatou que, em vários momentos, os criminosos gritaram que ele iria morrer.

Carro do vereador Gabriel Monteiro marcado por balas
Legenda: Carro do vereador ficou com diversas marcas de balas
Foto: reprodução/redes sociais

"Quando a gente chegou, a princípio estava tudo tranquilo. Após 30 minutos, bandidos fortemente armados nos encurralaram e atiraram na gente de fuzil e de pistola", disse, acrescentando que pelo menos dez viaturas da Polícia Militar foram ao local da ocorrência.

Ao jornal Extra, a assessoria de imprensa do vereador disse que o ataque se deu quando ele estava saindo da casa e voltando ao carro para pegar mais presentes para as crianças. Conforme a publicação, o político disse que o veículo fora atingido por pelo menos três disparos.

O caso foi registrado no 29º Distrito Policial (DP), em Madureira, como tentativa de homicídio. A Polícia Civil fluminense comunicou que testemunhas já foram ouvidas e uma perícia será realizada no local do incidente.

Gabriel Monteiro cercado por vários policiais
Legenda: Parlamentar afirmou que pelo menos dez viaturas foram ao local da ocorrência
Foto: reprodução/redes sociais

Vereador é alvo em conselho de ética

O Conselho de Ética da Câmara de Vereadores avalia seis situações em que Monteiro pode ter quebrado o decoro de seu cargo. Em um dos episódios, o parlamentar se envolveu em uma briga com um caminhoneiro em frente a um bingo clandestino em Copacabana.

Imagens registradas mostram Gabriel Monteiro acompanhado de cinegrafistas e seguranças chegando ao local em que o bingo funcionava. Pelo menos três dos acompanhantes usam toucas-ninjas.

Segundo o G1, o vereador afirmou à Polícia que esteve no endereço após receber a informação de que um bingo estaria funcionando no local. Lá, o caminhoneiro Carlos Henrique Santos Araújo estaria com diversas caixas de máquinas caça-níquel.

Ainda conforme Monteiro disse na ocasião, o motorista o ameaçou. O homem, na delegacia, afirmou ter sido abordado pelo parlamentar e questionado sobre quem seria o chefe, sendo agredido, em seguida, com socos e chutes pelo grupo do parlamentar.

O motorista incluiu que a abordagem foi realizada com truculência, tendo pensado que o grupo era formado por assaltantes e milicianos. Além disso, ele teria sido ameaçado pelo vereador, que teria dito: "Fala tudo, se não eu te coloco na mala do carro".

Nos vídeos, o motorista dá um soco no vereador, que revida com um chute. Um inquérito de lesão corporal mútua foi encaminhado para o Juizado Especial Criminal.

A investigação da Polícia busca apurar se um dos integrantes da equipe que segue o vereador nas fiscalizações é Daniel Aleixo Guimarães. Em algumas fotos, ele aparece armado; em outras, com Gabriel Monteiro, de quem supostamente seria segurança.

Daniel Aleixo é acusado de matar, em 2015, um ex-prefeito de Macuco, na Região Serrana do estado. Ele chegou a ser preso pelo crime, mas responde em liberdade atualmente.

Fiscalizações em hospitais

O telejornal RJ2 mostrou, em abril, que, durante a pandemia, o parlamentar fiscalizava hospitais sem uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), além de que provocava aglomerações em áreas destinadas a pacientes com Covid-19. O vereador também chegou a ir a abrigos à noite, quando os moradores já estavam dormindo.

Embora o Conselho analise as vistorias feitas por Gabriel Monteiro, nenhum processo foi aberto até agora.

Outra polêmica que envolve o nome do vereador é a de que ele usava a prerrogativa do cargo em próprio benefício. As supostas fiscalizações, após filmadas, eram monetizadas nas redes sociais, podendo ser convertidas em dinheiro.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil