Temer exonera 3º ministro para tentar garantir aprovação do teto de gastos

Marx Beltrão (Turismo) reassume a cadeira de deputado federal para votar pela aprovação da iniciativa

Para garantir mais um voto a favor da PEC dos gastos públicos, o presidente Michel Temer exonerou na tarde desta segunda-feira (10) o ministro Marx Beltrão (Turismo), que reassume a cadeira de deputado federal para votar pela aprovação da iniciativa.
 
Como Beltrão assumiu o ministério da semana passada, ainda não havia nenhum suplente em sua vaga (a Câmara estava com um deputado a menos). Por volta das 18h30, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava o retorno dos deputados para o plenário para dar início à votação da PEC. Enquanto Maia aguarda quorum, os deputados seguem com as discussões.
 
Pela manhã, já haviam sido publicadas as exonerações de dois outros ministros: Fernando Coelho (Minas e Energia) e Bruno Araújo (Cidades).
 
Indecisão
 
Os suplentes dos dois ministros, que estavam exercendo o mandato, estavam indecisos em relação à votação por causa da disputa política pela Prefeitura de Recife e sinalizavam que poderiam deixar de votar nesta segunda (10). São eles: Creuza Pereira (PSB-PE) e Severino Ninho (PSB-PE).
 
Fernando Coelho e Bruno Araújo decidiram, então, acertar com o presidente Temer a exoneração para participarem da votação e, com isso, pouparem os dois deputados pernambucanos. O candidato de Creuza Pereira e Severino Ninho, o atual prefeito Geraldo Julio (PSB-PE), disputa o segundo turno da eleição municipal com o petista João Paulo.
 
Os ministros avisaram os dois parlamentares da exoneração com antecedência. Depois da votação, eles vão reassumir seus postos nos ministérios de Minas e Energia e Cidades. O governo Temer acredita que já tem mais de 350 votos, acima dos 308 necessários, para aprovar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que cria o teto dos gastos públicos. A votação está marcada para esta segunda-feira(10).
Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil