Polícia conclui que a morte da influenciadora Lívvia Bicalho foi feminicídio

Ela foi morta a tiros pelo namorado, que se matou em seguida, definiu a investigação

Lívvia Bicalho
Legenda: Polícia conclui que morte da influenciadora digital Lívvia Bicalho e do namorado Rafael Ribeiro foi um caso de feminicídio, seguido de suicídio
Foto: Reprodução Instagram

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu o inquérito sobre a morte da cantora e influenciadora digital Lívvia Bicalho, 37, e do namorado dela, Rafael Ribeiro, 39, como um caso de feminicídio seguido de suicídio. Rafael matou a namorada a tiros e se matou em seguida. As informações são do G1.

O casal foi encontrado morto no dia 21 de abril, no apartamento onde ela morava, na cidade mineira de João Molenvade.

Testemunhas que ouviram uma briga de casal e barulho de tiros ligaram para o 190. Quando os policiais chegaram ao local encontraram Lívvia e Rafael mortos.

Cantora acionou a polícia horas antes

Horas antes do crime, a cantora chegou a acionar a Polícia Militar dizendo temer por sua vida

Conforme as informações da Globo Minas, quando os agentes de segurança chegaram ao imóvel, ela desistiu de registrar um boletim de ocorrência sobre o caso.

Os policiais relataram que Lívvia teria dito já estar tudo bem e que na segunda-feira seguinte, dia 26 de abril, um caminhão buscaria suas coisas no local.

A influenciadora mineira deixou dois filhos: Davi, de 9 anos e Júlia, de 19. Ela trabalhava na música, além de manter seu Instagram com mais de 90,7 mil seguidores, onde dava dicas de Marketing Digital.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil