Pesquisas, debates e Covid-19 movimentam a reta final nos estados

Em São Paulo, Guilherme Boulos (Psol) contrai novo coronavírus, provocando cancelamento de debate na TV. Novas pesquisas do Ibope medem chances de finalistas em cinco capitais. No Rio, ordem judicial afeta campanha de prefeito

A divulgação de novas pesquisas de intenção do voto e a participação dos tradicionais debates na TV alimentaram, ontem (27), as esperanças dos finalistas do segundo turno das eleições municipais, cuja votação será realizada, amanhã, nas 18 capitais e outras 39 cidades com mais de 200 mil eleitores.

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do País, a surpresa foi o anúncio de que o candidato Guilherme Boulos (Psol) contraiu Covid-19. O debate promovido pela TV Globo foi cancelado. Boulos perdeu a oportunidade de tirar pontos do adversário, o atual prefeito Bruno Covas (PSDB), que aparece numericamente à frente nas últimas pesquisas.

Em Rio Branco (AC), o candidato Tião Bocalom (PP) informou oficialmente, por meio de nota, que desistiu de participar do debate da Rede Amazônica. O debate foi substituído por perguntas para a candidata Socorro Neri (PSB) em razão da desistência.

Pesquisas

Cinco pesquisas do Ibope foram divulgadas, ontem. Em São Luís (MA), Eduardo Braide (Podemos) cresceu de 49% para 54%, ampliando vantagem diante de Duarte Jr. (Republicanos), que aparece com 46% das intenções de voto.

Em Manaus (AM), David Almeida, do Avante, também melhorou o desempenho, subindo de 47% para 52%, o que, se mantido e confirmado nas urnas, representaria uma derrota para o ex-governador Amazonino Mendes (Podemos), que tem 48%. "Estamos passando por uma transição: a cortina da história política do Amazonas se fecha para uma geração chamada caciques, que já tiveram todas as oportunidades de mudar o Estado e a cidade de Manaus e não o fizeram", disse Almeida, ontem. Em Porto Velho (RO), Hildon Chaves, atual prefeito da capital de Rondônia, apareceu com 60% ante Cristiane Lopes (PP), segundo a pesquisa do Ibope divulgada ontem.

Em Cuiabá (MT), Emanuel Pinheiro (MDB), que tenta a reeleição, aparece em empate com Abílio (Podemos), ambos com 50% no levantamento do Ibope divulgado ontem. É a única capital que exibe esse cenário de total indefinição.

Em Maceió (AL), o deputado federal JHC (PSB) abriu vantagem sobre o ex-promotor do Ministério Público de Alagoas, Alfredo Gaspar (MDB). Na pesquisa divulgada ontem, o placar está em 57% a 43%. No Rio de Janeiro, em desvantagem nas pesquisas, o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) sofreu um revés. A Procuradoria Regional Eleitoral denunciou o candidato à reeleição por difamação eleitoral e propaganda falsa. A campanha do candidato diz que as denúncias tratam-se de lamentáveis "empreitadas que visam cercear a liberdade de expressão e mascarar a verdade".

A Justiça Eleitoral concedeu ao Psol o direito de resposta contra acusações feitas por Crivella. Em uma transmissão ao vivo no dia 19, Crivella, ao lado do deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), disse que Paes, caso fosse eleito, teria um acordo para oferecer ao Psol o comando da Secretaria de Educação do município, que, por sua vez, implementaria a "pedofilia nas escolas".

Cestas básicas em SP

Guilherme Boulos (Psol) entrou, ontem, com uma ação na Justiça Eleitoral contra Bruno Covas (PSDB) por abuso de poder político. Ele questiona a distribuição de cestas básicas a moradores da periferia feitas por organizações ligadas à Prefeitura. Covas nega ligação com as entregas.

Propaganda em Macapá

Os eleitores de Macapá só vão às urnas no dia 6 de dezembro para escolher os vereadores e o novo prefeito. Ontem, a propaganda política voltou às emissoras de rádio e TV e segue até quinta (3). A capital amapaense tem dez candidatos a prefeito e 527 a vereador. A votação em Macapá foi adiada por causa da crise energética.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Assuntos Relacionados