Ministro da Saúde confirma que morte de adolescente não está relacionada à vacina, diz jornal

Marcelo Queiroga confirmou as informações à colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo

Queiroga de máscara  preta
Legenda: Após recomendar suspender a vacinação em adolescentes devido a possíveis riscos à saúde, Queiroga admitiu que a imunização para esse público é fundamental
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

O Ministério da Saúde (MS) concluiu que a morte de uma garota de 16 anos não ocorreu em devido a reações adversas da vacina Pfizer, em São Bernardo do Campo, em São Paulo. Relatório da pasta mostra que a causa do óbito foi uma doença autoimune chamada “púrpura trombocitopênica trombótica”, conforme já havia apontado estudo da Secretária de Saúde do Estado

As informações são da Folha de S. Paulo. À coluna da jornalista Mônica Bergamo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que “não dá para estabelecer uma vinculação”. A jovem morreu no último dia 2.

O ministro acrescentou, ainda, que, "mesmo que o caso esteja vinculado ao imunizante, isso não invalidaria a vacinação [de adolescentes]". 

“Os benefícios dela são infinitamente maiores do que os riscos", disse o ministro. 

Reações adversas ao imunizante e a investigação desta morte foram os argumentos utilizados pelo gestor para orientar a suspensão da vacinação deste público, no último dia 16 de setembro. 

No mesmo dia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que autorizou somente aplicação da Pfizer em adolescentes no Brasil, enfatizou não haver evidências para a medida. Alguns estados não acataram a recomendação. Dentre eles, o Ceará

O que é púrpura trombocitopênica trombótica

Segundo a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrasta), a púrpura trombocitopênica trombótica adquirida (PTTa) é uma doença do sangue muito rara.

A patologia provoca uma condição chamada microangiopatia trombótica, que apresenta alterações como a anemia hemolítica microangiopática (quando os anticorpos do organismo eliminam os glóbulos vermelhos).

Dentre outras alterações, pode ocorrer uma trombocitopenia grave e/ou isquemia de órgãos causada por trombos ricos em plaquetas que ficam na microcirculação.

O portador precisa ser diagnosticado e tratado a tempo para ter a melhor qualidade de vida e resultado no tratamento.

Saiba mais:

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil