Ministério da Saúde deverá excluir citação de maior eficácia da cloroquina sobre as vacinas

Após nota técnica apoiando o uso da cloroquina, o órgão diz que irá excluir informação para "evitar possível mau uso".

Legenda: Ministério irá retirar na busca por evitar possível mau uso da informação no atual cenário pandêmico.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após repercussão de nota técnica do Ministério da Saúde que apoiava uso da cloroquina e apontava ineficácia da vacina contra Covid-19, o órgão declarou que irá realizar modificações no documento assinado pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Hélio Angotti. A afirmação foi dada nesta terça-feira (25) por meio de nota e, segundo o UOL, o documento será republicado na edição de amanhã (26) do Diário Oficial da União (DOU).

Em nota, o órgão não se manifestou especificamente sobre a tabela, em que estão inseridas as informações que vão de encontro ao que especialistas declaram sobre a hidroxicloroquina e as vacinas contra o novo coronavírus. Apesar disso, Angotti já apontou que ocorrerá remoção da tabela para "evitar possível mau uso".

"O Ministério da Saúde informa que a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE) republicará a Nota Técnica que fundamenta a decisão acerca das diretrizes terapêuticas para o tratamento farmacológico da Covid-19, para, segundo a secretaria, promover maior clareza no conteúdo e evitar interpretações equivocadas, como a de que a decisão critica o uso das vacinas Covid-19". 
Ministério da Saúde

DIRETRIZES NA PANDEMIA

O documento apresentava medidas de tratamento contra o novo coronavírus com argumentos que contrariavam especialistas e orientações sanitárias de revistas científicas e entidades especializadas no mundo. Além disso, bloqueava as diretrizes que contraindicam o "kit covid" no tratamento ambulatorial e hospitalar da doença.

Com as contradições, as entidades de saúde ficavam em um entrave, com o País sem uma recomendação oficial acerca da forma correta de tratar pacientes positivados para a doença, mesmo após quase dois anos de pandemia.

Em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, na última segunda-feira (24), Hélio declarou que a alteração da nota busca "promover clareza" aos brasileiros

"A tabela embora não esteja errada no contexto em que ela se encontra, vamos optar por tirá-la. Não vai mudar nada o parecer, não vai mudar nada o argumento, mas optamos por tirá-la para fomentar a clareza, promover clareza nos instrumentos administrativos e evitar possível mau uso".
Hélio Angotti
Secretário

AÇÃO CONTRA NOTA TÉCNICA

A tabela foi alvo de contestação de acadêmicos e especialistas em saúde pública por questionar a efetividade dos tratamentos disponíveis no País para a doença. Em uma de suas colunas, tem a pergunta se há demonstração de efetividade em estudos controlados e randomizados para a Covid-19. A resposta é "sim" para a hidroxicloroquina e "não" para as vacinas.

O partido Rede Sustentabilidade apresentou ação contra a nota técnica no Supremo Tribunal Federal (STF) e especialistas, médicos, pesquisadores e políticos reagiram ao documento. Apesar disso, Angotti continua argumentando que a tabela não apresenta informações incorretas sobre os tratamentos contra a covid-19.

Esse posicionamento vai de encontro inclusive ao que diz o ministro Marcelo Queiroga, que chegou a afirmar no sbaádo (22), durante uma visita a Manaus, que o "ministério tem acompanhado não só a eficiência das vacinas, mas também a efetividade".

Em relação à nota técnica, Queiroga referenciou um estudo patrocinado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos e publicado na revista Lancet em que a efetividade das vacinas é comprovada.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil