Memorial localizado na antiga Boate Kiss começa a ser construído

Demolição do prédio começa 11 anos e seis meses após incêndio que vitimou 242 pessoas

Escrito por Redação ,
Memorial será construído onde ficava prédio palco da tragédia
Legenda: Memorial será construído onde ficava prédio palco da tragédia
Foto: Agência Brasil/Fernando Frazão

O prédio da boate Kiss, palco de uma das maiores tragédias do Brasil, começou a ser demolido nesta quarta-feira (10), para dar lugar um memorial em homenagem aos 242 mortos no incêndio, 636 feridos e às famílias das vítimas.  As obras da estrutura começam 11 anos e seis meses após a tragédia ocorrida em Santa Maria, no centro do Rio Grande do Sul.

Para marcar o início da construção do memorial um ato simbólico. Durante a solenidade inicial, aconteceu a leitura de uma carta escrita por Gabriel Barros, presidente da Associação dos Familiares e Vítimas da Tragédia de Santa Maria.

“A gente entende que o memorial, para além de uma construção feita de tijolo e cimento, é uma construção que se inicia na palavra e carrega muito a história consigo”, afirma o presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Gabriel Rovadoschi Barros.

Segundo Gabriel, além do portão e do antigo letreiro da Boate Kiss, outros objetos serão retirados para compor um acervo. Estes e outros itens devem se tornar parte de um museu itinerante com o objetivo de conscientizar e preservar a memória das pessoas sobre a tragédia.

O prazo para a entrega do memorial é de oito meses, e durante a primeira parte das obras, devem acontecer as seguintes etapas:

  • Definição dos itens que farão parte do acervo do memorial da AVTSM;
  • Remoção do telhado;
  • Classificação dos resíduos que permanecem no local para retirada de uma empresa especializada;
  • Abertura de um espaço na entrada central para ingresso de máquinas.
  • Nos últimos dias, a empresa responsável fez a remoção de alguns itens e colocou tapumes em torno da fachada.

Veja também

Entenda mais sobre o projeto do memorial

O projeto é do arquiteto paulista Felipe Zene Motta e foi escolhido por meio de um concurso, em 10 de abril de 2018, entre 121 outros inscritos de 14 estados brasileiros. A iniciativa aconteceu no dia em que o incêndio completou cinco anos, em 27 de janeiro de 2018.

O memorial será composto por três salas, sendo um auditório com capacidade para 142 pessoas, uma sala multiuso e a sede da AVTSM. O espaço também vai contar com um jardim circular com 242 pilares de madeira, cada um representando uma vítima, com seus nomes e um suporte de flores.

Relembre a tragédia

O incêndio que atingiu a boate Kiss aconteceu em 27 de janeiro de 2013, em Santa Maria. No total, 242 pessoas morreram e outras 636 ficaram feridas, após dispositivos pirotécnicos serem utilizados no local, fazendo com que fagulhas atingissem a espuma acústica que reveria o teto. Uma fumaça tóxica se espalhou pela boate ao pegar fogo.

Em dezembro de 2021, quatro réus foram condenados pelo tribunal do júri. Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann que eram sócios da casa noturna, além de Marcelo de Jesus dos Santos, vocalista da banda e Luciano Augusto Bonilha Leão, produtor que comprou e ativou os dispositivos pirotécnicos.

Em 3 de agosto de 2022, O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anulou o júri após encontrar irregularidades entre os jurados.

Já no  dia 2 de maio deste ano, a Procuradoria-Geral da República pediu que o Supremo Tribunal Federal reestabeleça a condenação dos quatro réus que aguardam a decisão em liberdade.