Marido de cantora gospel presa Isabela Cristi diz que a renda mensal da família era de R$ 150 mil

Nas redes sociais, eles mostravam aos seguidores as viagens que faziam para outros países, onde bancavam estadias luxuosas

Izabela Cristy e David Robson
Legenda: Ambos são investigados por provocar prejuízo em cerca de 300 pessoas
Foto: reprodução/redes sociais

O cantor gospel David Robson de Barros, marido da também cantora gospel Isabela Cristi Gomes Barros, conhecida ainda como Izabela Cristy, revelou à Polícia, nessa segunda-feira (9), que o casal tinha uma renda mensal de R$ 150 mil. Os dois foram presos, na última sexta-feira (6), em Lagoa Santa, Minas Gerais, suspeitos de aplicarem golpes de investimentos no estilo pirâmide.

Nas redes sociais, eles mostravam aos seguidores as viagens que faziam para outros países, onde bancavam estadias luxuosas. Ambos são investigados por provocar prejuízo em cerca de 300 pessoas. As informações são do portal G1

"Ele informou que obtinha, como investidor, cerca de R$ 150 mil. Vamos começar a trabalhar em cima da questão dos bens [do casal]", detalhou o delegado Flávio Teymeny.

Ainda segundo o titular, David relatou no depoimento que a empresa estava sendo reestruturada e uma auditoria estava sendo realizada para quitar as dívidas do empreendimento. Isabela também estava prevista para ser ouvida na segunda-feira. 

Lucro de até 300%

Conforme as investigações, o casal mantinha 12 grupos no Whatsapp com cerca de 250 participantes em cada um, totalizando mais de 3 mil investidores ou interessados na iniciativa. 

"O plano que eles ofereciam era escalonado. Ou seja: 100% de lucros para aqueles clientes que optassem pelo lucro em até 40 dias. Ofereciam até 300% para aqueles clientes que optassem em receber esse lucro em até 210 dias. No mercado não existe essa prática. Nos negócios, inclusive em ações, é difícil encontrar 100% [de lucro]", explicou o delegado.

Isabela e David são investigados pelos crimes de associação criminosa, estelionato, crimes contra economia popular e o sistema financeiro.

O advogado de defesa do casal, Jackson Caetano, diz que os clientes não cometeram delito

"A pirâmide não existe nesse tipo de trabalho. É um trade em que pessoas que entram sabem que é um risco, as pessoas assinam um contrato de risco. No Brasil, o crime cibernético ainda não é totalmente esclarecido, ou seja, não podemos falar que eles cometeram um crime (...) Nós vamos trabalhar junto à Justiça para demonstrar que eles não cometeram um crime, eles simplesmente representam as pessoas diante de uma plataforma", detalhou o jurista. 

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil