Limpador de para-brisa é agredido por supervisor de churrascaria em São Paulo; vídeo

A situação foi flagrada por uma testemunha que passava pelo local na hora que o fato aconteceu

Limpador de para-brisa é agredido por supervisor de churrascaria em São Paulo
Legenda: Supervisor da churrascaria desferiu um chute no rosto do limpador de para-brisa e outro em uma vassoura que estava ao lado do rapaz
Foto: Reprodução

Um limpador de para-brisa foi agredido pelo supervisor de uma churrascaria localizada na Avenida Saudade, em Ribeirão Preto, município de São Paulo, na tarde da última quinta-feira (17). A situação foi flagrada por uma testemunha que passava pelo local na hora que o fato aconteceu. As informações são do G1 e do Correio Braziliense.

Nas imagens, é possível quando dois homens conversam com o rapaz, que estava sentado em uma calçada que fica próxima à entrada do estabelecimento comercial.

Logo após, um dos homens, supervisor da churrascaria, desfere um chute no rosto do limpador de para-brisa e outro em uma vassoura que estava ao lado do rapaz.

Em seguida, a vítima se levanta, pega os materiais de trabalho que estavam espalhados pelo chão da calçada e, revoltada, vai embora do local.

Por meio de nota, a Churrascaria Gaúcho da Saudade, informou que o funcionário foi demitido logo após a confusão e que, assim que tiver novas informações, comunicará à imprensa.

Violação de direitos

Embora o caso não tenha Boletim de Ocorrência (B.O), a comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) informou que pretende denunciar o agressor e a churrascaria ao Ministério Público. De acordo com o presidente da comissão, Douglas Marques, o então supervisor violou uma série de direitos da vítima.

"A OAB vê com muita indignação e revolta as imagens apresentadas. Na esfera criminal, claramente, visivelmente, o homem cometeu pelo menos o crime de ameaça e lesão corporal. Além de uma série relação dos direitos constitucionais de ir e vir. Na esfera cível, cabe também contra ele uma reparação de danos, tanto quanto o autor da violência, como também contra o estabelecimento comercial", explicou Douglas Marques ao G1.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil