Dentista perde prisão domiciliar após publicar foto em Campos do Jordão nas redes sociais

Defesa alega que Kelen Reolon de Souza apenas repostou uma foto antiga em um #tbt

Legenda: Kelen compartilhou a imagem em um perfil no Facebook
Foto: reprodução/Facebook

Uma dentista de 30 anos, condenada por tráfico de drogas pela Justiça mineira, teve a prisão domiciliar revogada logo após postar uma foto em Campos do Jordão, em São Paulo. A defesa, no entanto, alega que a imagem não foi publicada na data correta.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou que Kelen Reolon de Souza foi reconduzida à prisão logo após ser detida em um bar de Belo Horizonte. Em resposta, os advogados da dentista reforçam que a imagem foi postada como uma espécie de "#tbt".

Foto: reprodução/Facebook

Kelen havia sido condenada a 15 anos e dois meses de prisão e, por conta da pandemia de Covid-19, conseguiu o benefício de cumprir a pena em regime domiciliar.

Logo após a sentença, ela apresentou comprovante de endereço em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Dessa forma, ela só poderia deixar o local de segunda a sexta, das 6h às 19h30, e aos sábados, entre 6h e 15h, devendo permanecer recolhida aos domingos e feriados.

Quebra do regime

Entretanto, ainda segundo MP, ela descumpriu a regra no ano passado, o que motivou o pedido da promotoria para o retorno à prisão. O órgão informa que, depois do pedido aceito, ela foi considerada foragida por três meses.

A prisão aconteceu na semana passada, quando a Polícia Militar (PM) recebeu denúncia de que ela estaria em bar no bairro Araguaia. Desde o último domingo (23), ela está detida na Penitenciária Estevão Pinto, na Região Leste de Belo Horizonte.

Defesa nega

Segundo a defesa de Kelen, ela estava na clínica onde trabalha no dia em que a foto foi publicada nas redes sociais. "Na verdade, isso se trata de um #tbt, a repostagem de uma foto passada. Isso é comum nas redes sociais, as pessoas publicarem fotos antigas", disse o advogado Tiago Henrique Santos ao G1.

Além disso, a defesa diz que possui comprovantes que comprovam que ela não esteve fora do perímetro permitido pela Justiça. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Assuntos Relacionados