Chuva causa seis mortes e perda de doses de vacina contra Covid-19 em município de Minas Gerais

O Corpo de Bombeiros diz que foram pelo menos 11 solicitações para a cidade de Santa Rita de Itabira

alagamento
Legenda: O estado sofre com chuvas intensas desde a quarta-feira (17)
Foto: Divulgação/Defesa Civil

As chuvas que atingiram Minas Gerais no fim de semana causaram inundações, deslizamentos de terra, soterramentos e seis mortes. Vinte e uma pessoas já morreram no período de 2020/2021, contabilizando ocorrências desde outubro do ano passado até esta segunda-feira (22).

O estado sofre com chuvas intensas desde a quarta-feira (17), segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. Na madrugada de domingo, uma tempestade atingiu o município de Santa Rita de Itabira (a 154 km de Belo Horizonte), com população de 10.857 habitantes na estimativa do IBGE, e causou a morte de seis pessoas.

Quatro foram soterradas em uma mesma casa, uma delas uma criança de cinco anos, que foi localizada por volta do meio-dia desta segunda-feira. O Corpo de Bombeiros diz que foram pelo menos 11 solicitações para o município logo no início do domingo por causa de enchente e inundação, desabamento, salvamento de pessoa ilhada e corte de árvore caída em via pública.

Diversos bairros foram inundados, houve danos estruturais a duas pontes de acesso, e um pontilhão, que dava acesso a um dos bairros, foi destruído e levado pelas águas. A cidade é cortada por um ribeirão que transbordou. Segundo o boletim diário divulgado pela Defesa Civil estadual, Minas tem 1.358 desabrigados e 9.807 desalojados.

O boletim aponta ainda que 70 municípios do estado tiveram danos humanos, mas não tem decreto de situação de emergência ou de estado de calamidade pública, enquanto 20 estão com processos do tipo no Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID).

Ainda não há números fechados de quantas pessoas estão precisando de apoio no município – cerca de 40% da população vive em zona rural, o que dificulta o levantamento, segundo a Defesa Civil municipal. Santa Rita de Itabira emitiu decreto, ainda na noite de domingo, declarando estado de calamidade pública nas áreas afetadas pela chuva e está fazendo a tramitação para conseguir reconhecimento do estado e da União.

O governador Romeu Zema (Novo) sobrevoou a região ainda no domingo e, na segunda, visitou Carangola, na Zona da Mata, outro município atingido pelas chuvas do fim de semana.

Os danos causados pelas chuvas em Santa Maria de Itabira provocaram também a perda de 31 doses de vacina contra a Covid-19 que estavam em um posto de saúde da região central e foi inundado pelas chuvas. Todos os equipamentos no local foram inutilizados devido à lama e à água, e a cidade ficou horas sem energia elétrica.

Zema publicou em rede social que determinou que as doses sejam repostas assim que o município tiver condições de armazená-las novamente. Na sexta-feira (19), também foram registradas mortes também nos municípios de Divino e Durandé, uma em cada local.

As condições de solo e relevo de Minas, além das condições meteorológicas da região e com rios que tendem a transbordar, fazem com que essas questões sejam recorrentes no estado todos os anos, no período chuvoso. No período de outubro de 2019 a março de 2020, o estado registrou 74 mortes em decorrência das chuvas.

"O que a gente orienta a população é que, como temos condição muito favorável para deslizamento, a qualquer sinal, qualquer indício que seja detectado, que abandonem a residência. A maior quantidade de mortes do período chuvoso é, geralmente, relacionada a soterramentos e deslizamentos de terra", afirma o porta-voz dos Bombeiros, tenente Pedro Aihara.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil