Caso Ronei: Réus são condenados a quase 40 anos por espancar jovem até a morte na saída de festa

Penas de Peterson Patric Silveira Oliveira, Leonardo Macedo Cunha e Vinícius Adonai Carvalho da Silva chegam até 38 anos de prisão.

Legenda: Primeira etapa do julgamento do Caso Ronei Jr terminou na sexta (24) em Charqueadas
Foto: Juliano Verardi – DICOM/TJRS

Três dos nove réus acusados de espancar até a morte o adolescente Ronei Faleiro Júnior, de 17 anos, na saída de uma festa, em agosto de 2015, foram condenados durante júri na madrugada deste sábado (25), em Charqueadas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, no Sul do País.

Peterson Patric Silveira Oliveira foi sentenciado a 35 anos e quatro meses de prisão. Leonardo Macedo Cunha foi condenado a cumprir pena privativa de liberdade que chega a 35 anos e quatro meses. Já Vinícius Adonai Carvalho da Silva terá de cumprir 38 anos e 10 meses e 20 dias de reclusão.

As condenações são pelos crimes de homicídio qualificado, tentativas de homicídio qualificado, associação criminosa e corrupção de menores.

Segundo a Defensoria Pública, que atuou na defesa de Cunha, "a defesa foi feita da melhor forma possível visando um processo justo e leal. A partir de agora, vamos recorrer no que julgarmos necessário, nos autos do processo".

Diander Rocha, responsável pela defesa de Oliveira, disse que respeita a decisão tomada pelo júri, que vai analisar a sentença e "ingressar com as medidas cabíveis". O Portal G1 não conseguiu contato com os responsáveis pela defesa de Silva.

Essa foi a primeira etapa do julgamento do caso. Outros seis acusados devem ser julgados em júris previstos para os dias 4 e 7 de julho.

Relembre o crime

Ronei Wilson Jurkfitz Faleiro Júnior foi espancado e morto após uma discussão na saída do Clube Tiradentes no dia 1º de agosto de 2015, em Charqueadas. A festa tinha a finalidade de arrecadar fundos para a formatura do último ano da Escola Técnica Cenecista Carolino Euzébio Nunes.

Além do jovem, segundo o Ministério Público, foram vítimas de tentativas de homicídio o pai dele, o engenheiro Ronei Wilson Jurkfitz Faleiro, e o casal de amigos Richard Wienke e Francielle Wienke. O pai tinha ido buscar o filho e ofereceu carona aos amigos.

Estes moravam na cidade vizinha de São Jerônimo e, por isso, segundo a Polícia Civil, eram vistos como inimigos por um grupo de jovens e adolescentes. Os três também foram agredidos.

Após as agressões, Ronei levou o filho até o hospital local, mas o adolescente precisou ser transferido para o Hospital Santo Antônio, em Porto Alegre. No entanto, ele morreu a caminho da instituição.

Em uma conversa por um aplicativo de celular, segundo a polícia, um dos suspeitos explica aos amigos como agrediu Ronei. "Eu dei duas garrafadas, com a garrafa quebrada na cabeça dele", comenta.

O Ministério Público confirmou a veracidade da gravação e os áudios foram incluídos no processo. Nas mensagens, segundo a investigação, eles pareciam comemorar. "Eu comecei a chutar, tipo GTA, assim ó, comecei a chutar ele assim", diz um deles, se referindo ao jogo de vídeo game.

Nove adultos e sete adolescentes foram responsabilizados pela morte de Ronei. Os homens, na época com idades entre 18 e 21 anos, foram presos e os adolescentes, que tinham entre 15 e 17, cumpriram medidas socioeducativas.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil